3.12.12

Crianças com dificuldades



... E Professoras com mais dificuldades ainda!
Neste ano estou com uma turma de 28 - segundo ano (alfabetização). Idade: 7/ 8 - regulares; até 11 anos- inclusão educacional.
Encaminhei 11 crianças para atendimento especializado. E olha que ainda me sobraram 2 suspeitos.
Trata-se de medicalizar o aluno?  É querer transferir o problema e "dopar" o grupo? Eis aqui o extremo do absurdo? Estamos culpabilizando a família? Não! Apenas temos o prelúdio para uma educação de qualidade.
Há no Município, o "Projeto Criança Casulo - tempo de crescer": Entre no site (abaixo).
O 1 foi encaminhado já no ano passado (estou com a maioria a dois anos): suspeita de altas habilidades, com "pitis" -  birras (não aceita perder). A mãe sabia apenas que era indisciplinado, ninguém cogitou outro diagnóstico.
Confirmado: estava com 7 anos e idade mental de 9. Pode ser muito útil à sociedade... Talvez um cientista. Preciso de ajuda psicológica com ele!
A 2 possui extrema desorganização temporoespacial. Quase "criada por lobos"; óbvio que a família não a encaminhou. Evoluiu somente até a fase silábico-alfabética, parece estar com a "inteligência aprisionada pelo emocional". O irmão já foi meu, e com dificuldades semelhantes.
A 3 fará 10 anos no início do ano. Deficiência intelectual comórbida com TDA/H. Não concordo com o diagnóstico da comorbidade, creio ser Transtorno Desafiador Opositor. Veio transferida da APAE de outro estado. A família atual não aceita encaminhar. Seus desenhos de figura humana  são compatíveis com crianças de 4 anos e meio.
O 4 possui inteligência acima da média, todavia extremamente desatento - a mãe adorou "a ajuda".
A 5 é um caso semelhante ao 4. A mãe também se sentiu aliviada (elas percebem que algo não se encaixa).
O 6, de quase 11 anos,  possui paralisia cerebral (dito a grosso modo) com deficiência intelectual. O "Projeto" não o aceitou por entender que deva ser encaminhado à APAE; a entidade não o aceita por alegar que a deficiência intelectual não existe. Confio mais no Projeto. Conclusão: Ele ficou apenas comigo!
O 7 é um caso extremo de Transtorno Desafiador Opositor - já escrevi sobre minhas mazelas com ele, dois outros coleguinhas chegam a ter pesadelos por medo deste garoto.
A 8 foi encaminhada em fevereiro, pois já era minha no ano passado. Dúvidas sobre deficiência intelectual leve ou algum tipo de dislexia. Parece ser mesmo dislexia.
A 9 possui problemas fonoaudiológicos e ortodônticos (chupeta até hoje). Está praticamente alfabetizada. A irmãzinha vem para mim no próximo ano, e só dorme grudada ao peito da mãe.
O 10 é um dos que sofrem com pesadelos. Transtorno de Ansiedade de Separação.
O 11 apresenta dificuldade visomotora (olha na losa e registra letra por letra - demora horrores). Nunca consegue realizar uma atividade escrita por completo. Bom raciocínio lógico-matemático, contudo memória deficitária - chega a esquecer o nome própria da mãe, embora o saiba. Tem surtos de agressão esporadicamente.
Então, nem sempre a baixa aprendizagem é culpa do professor, do aluno, ou da família!
Obs.:  Os atendimentos são realizados no contraturno, uma vez por semana.
Fonte da imagem:  criancacasulo.org.br 

2 comentários:

  1. Excelente post Cristina é impressionante que numa turma de 28 quase a metade da classe foi encaminhada:(
    Entrei no site e o projeto parece ser super sério e os workshops com temas interessantíssimos.
    Um abraço e otimo final de semana.

    ResponderExcluir
  2. Oi Renatinha! Novamente uma Organização Não Governamental salvando a educação!
    Se não fosse o "Projeto Criança Casulo", eu seria considerada uma péssima professora.
    Quando a criança aprende menos que os outros, nem sempre há culpados, muitas questões influem no processo.
    Grata pelo apoio,
    outro abração e maravilhosa semana.

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.