30.1.13

Correios

"Fiotão" comentou, interessado, que a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) completara 350 anos de Brasil.
Perguntei se faz ideia de como angariávamos cartas (e documentos oficiais) lá na roça, no município de "Águas da Prata", onde vivi até os treze anos. Não fazia.
Obviamente, a maioria era entregue em mãos, por familiares ou conhecidos que intercambiavam. Quando em local mais próximo, bilhetinhos iam e vinham; se a distância aumentava, eram as sonhadas cartinhas.
E as cartas que vinham via correio? Bem, ou eram endereçadas a um parente na cidade, e ficavam aguardando o proprietário, ou...
Havia um meio muito eficaz para se obter uma carta de qualquer local do mundo, ou de uma fazenda em outro município.
Eram os latões de leite! Sim, leiteiros cruzavam cada propriedade, dia após dia, transportando com o leite, pessoas e cartas.
No caminho da escola, quando eu estava no primeiro ano, ia com a prima Ana (terrível), e passávamos pelas fazendas do Tio Antenor e do Rodolfo (pai do Dorival e Arnaldo -solteirões).
Os latões cheios de leite sempre já haviam sido coletados pelo caminhão, e os vazios e limpos ficavam depositados sobre um tablado próprio, aguardando serem  recolhidos para a cocheira.
Corríamos espreitar os latões `a beirinha do  caminho, abrindo a pesada tampa, para sondar as misteriosas cartas. 
Jamais encontramos nenhuma. Sabíamos que era proibido violá-las, por isso a curiosidade aumentava. Ai, que vontade de tocar este objeto cismático!
Eu seguia imaginando como eram colocadas nos latões corretos, antes de sair do laticínio... Quem organizava? Nunca atinei para o fato de que este trabalho pudesse ser realizado ainda no dia anterior.
Sonhei tanto, campeei tanto, nunca vi e muito menos recebi carta via latão... Guardo até hoje esta frustração.
A tempos fizemos um serviço de jateamento e pintura "cobre" nuns latões para um administrador de fazenda. Ele me deixou um latão de presente, está aqui no quintal e me mata a saudade das cartas que jamais recebi por este veículo tão ádvena.
Quando vou dormir na serra, fico lendo as cartas antigas pertencentes aos familiares: Os bilhetinhos entre amigas, cartinhas de antigos namorados das Tias, preocupações com entes queridos; me perco em histórias. 
     
fonte das imagens: http://leiriarteefesta.blogspot.com.br/

14 comentários:

  1. Recordo-me dessas vasilhas do leite.
    E que bom ler bilhetes ou cartinhas do passado!
    Abraço e obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  2. Salam, Cristina!

    Nossa, quanta coisa interessante! Gostei muito do latão-correio.

    Vejo que você mudou a foto e sua maquiagem é bonita!
    Coincidentemente, postei sobre maquiagem, coisas do feminino...
    um abraço e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise!
      Vida na roça era outro mundo, hoje está tudo igual...
      Outro abraço e bom descanso.

      Excluir
  3. Olá, Catarina!
    Eu que agradeço a visita...
    Pena que muita gente descarta sua história sem parcimônia, e um dia fará falta.
    Outro abraço brasileiro.

    ResponderExcluir
  4. Nossa, a foto nova está otima! uma gata :-)

    Pois é, esse latao era de leite ne? eita,coisa mais antiga ... mas lembrei do Amazonas ,sabe que lá vendiam-se ate bem pouco tempo atras, acai em latas parecidas com essas? o vendedor sai na rua gritando: aaaacaiiiiii.... adorava!

    fico pensando se fosse hj, como seriam as caras das pessoas ao se depararem com esses latoes de leite heim?

    Ah Cris vim te agradecer a apresentacao de uma nova palavra que nao conhecia, adorei o nefelibata :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gata? Agradecida!
      Ora Nina, o leite do Amazonas é mesmo o açaí. Aqui até pouco tempo, vendi-se leite "solto" desta forma.
      Eu gosto muito de seu jeitinho nefelibata, assim é que se leva a vida.
      Abração.

      Excluir
  5. E deviam ser tempos bem bons!
    Também gosto muito de ler historinhas antigas!
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Marina!
    Eram tempos despreocupados, porém vividos visceralmente...
    Bom descanso também a ti.

    ResponderExcluir
  7. Oi Cristina
    É minha primeira vez por aqui, queria te seguir, mas não vi painel de seguidor. Gostei da sua história, me fez lembrar das histórias dos meus irmãos mais velhos.
    Bjos. Fique com Deus!
    ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Olá, Luciana!
    Realmente sou meio tímida quanto ao painel... Prefiro a lista de blogs. Grata pela visita, estarei retribuindo.
    Beijos caipiras.

    ResponderExcluir
  9. Recordo dessas vasilhas de leite que via na tv, a minha época era o leite C de saquinho.Recordar é viver!
    Linda semana pra vc.
    Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renatinha!
      Que avanço, hein? Agora já vem fervido na caixinha! Quanta lambuzeira no fogão quando o leite entornava...
      Ótima semana para ti também.
      Outros beijos caipiras.

      Excluir
  10. Olá Cristina,
    Que lindo post, lembro-me do leite tirado na hora, uma delicia. Só não lembro se tinha por lá destes latões,quanto as cartinhas eu era a escrevedora de cartas (era como as pessoas me chamavam no local onde morava)era uma delicia fazer este trabalho sempre ganhava umas moedas, kkkkk, foi minha primeira profissão aos dez anos de idade.
    Agradeço sua visita sempre tão gentil. Beijinhos. :)

    ResponderExcluir
  11. Que fofo, Verinha!
    Realmente muitas pessoas pediam ajuda para escrever uma carta, tinham pouco estudo.
    Vem daí a sua aptidão como escriba!
    Outros beijos caipiras.

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.