9.2.13

Realidade crua

Feliz, Inverno, caricatura, crianças, círculo, isolado,...
Fonte da imagem:  http://www.canstockphoto.com.br
Ontem, na rodinha de conversa, estava eu a conhecer a família dos aluninhos. Cada um ia dizendo onde o pai e a mãe trabalham.
Chegou a vez do JV:
_  Minha mãe trabalha não, Tia! Fica lá no fundão do Santo Antônio fumando drogas com os noias.

O que responder? Me vi em saia-justa.
Um garotinho pergunta:
_  Ela dorme com você? Santo Antônio é um pouco longe...
_ Não,  dorme por aí com os andarilhos, e de vez em quando fica duas noites lá em casa.
Outro garoto:
_ Mas ela gosta de você?
_ Ih, nem liga prá mim quando vai lá em casa...
Eu intervi, dizendo que a avó é a mãe substituta - cuida dele e o ama muito, sendo que naquela idade ainda trabalha fora para dar-lhe o necessário.
Expliquei que a mãe está doente, pois a dependência química é uma escravidão.

Na saída, uma mãe (sem saber da conversa) pede para afastar o filho do JV, pois no ano anterior ele apanhava muito deste.
_  Esse moleque é terrível, Tia! Tome cuidado para que não machuque os outros.
Me calei e pensei: Por seu histórico é um heroi!

6 comentários:

  1. Olá Cristina.
    Que complicada esta situação, o que dizer nesta hora, esta criança precisa de bastante atenção. Nossa qual visão que carrega da vida, muito triste.
    Que Deus o proteja.

    ResponderExcluir
  2. Então, Verinha! Já o coloquei bem próximo a mim. Será um grande desafio.
    Agradeço seu apoio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos "rápidos no gatilho" a julgar os outros desde muito cedo!
      Que engano! Força Cristina seu trabalho é lindo!!!

      jinho

      Excluir
    2. Oi Suri!
      Estas crianças têm uma realidade tão dura... É mesmo de se esperar que deem um pouco mais de trabalho - normal neste caso.
      Grande beijo brasileiro.

      Excluir
  3. Pobre menino, precisa de bastante apoio e certamente de carinho...
    Força Cristina, bom trabalho.

    ResponderExcluir
  4. Grata pelo apoio, Marina!
    São justamente estas crianças que nos enchem de apego, mesmo depois de que se vão.
    Abraços brasileiros.

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.