3.5.13

Blanche - XXIII

*  Aqui  terá o conto completo!

Também para as prestimosas damas com seus olhos cuidadosos no importante auxílio infantil, a rotina semanal é bem demarcada na comunidade Riolama, após a introspecção e encalacrado repouso dominical. 
Às segundas e quintas-feiras, com a madrugada empurrando o dia, lavora-se com toda a roupagem: Lavar, ferver, passar, engomar, coser, cerzir, remendar, tingir, fiar, tecer. Os coloridos varais balançando-se ao vento, gritam a paisagem.
Às terças e sextas-feiras, a incumbência é com a vivenda: faxinar, repor o (indispensável) estoque de lenha, fazer reparos, confeccionar cestaria, utensílios em terracota, ornatos, manter a horta, jardim e pomar. As crianças tagarelas seguem enfileiradas morro abaixo, cada qual com seu despenteado feixinho de lenhas à cabeça.
As quartas-feiras são reservadas para deliciosos trabalhos ocasionais: pescar e salgar, abater animais e ocupar-se da carne: defumar, preparar embutidos, acondicionar em recipientes de terracota, selados com gordura, fritar torresmos. O aroma viaja denunciante.
Também às quartas, manufaturar sabão e açúcar mascavo, preparar compotas com frutas de época (silvestres ou cultivadas), deixar as passas secando ao sol, montar réstias de legumes e especiarias, desidratar ervas e temperos, preparar picles para o inverno. A criançada afasta as galinhas. 
Os sábados são reservados aos banhos dos entes familiares, o que requer armazenamento extra de água, aquecimento, colheita de flores para aromatização da água (pois o sabão de cinzas é fétido), vestimentas limpas para vestes e para as camas, toalhas rústicas, revezamentos no barril do banho. Um fuá.
Nesta comunidade distante, não se faz quitutes ou pão, pois a farinha de trigo, com seu manancial de lucratividade, ainda não é encontrada. Nem mesmo se planta o arroz para encher a terra de satisfação.
A auto suficiência faz com que adquiram o sal e façam escambos entre si. Guloseimas industrializadas são raramente presenteadas às crianças, e quando ocorrem, chegam trazendo sorrizinhos. 
Utiliza-se os carboidratos da mandioca, do cará (a variedade cará-moela é silvestre), batatas diversas e outros tubérculos, abóboras variadas, inhame, milho, e frutas “carnudas”, como banana da terra e abacate, fartos feito moça cortejada.
As farinhas de alguns desses produtos, são preparadas artesanalmente, para utilização criativa na culinária local: fubá, farinha de mandioca, de cará, amido. Enquanto as mães trabalham, filhos montam em seus movimentos.
O mingau, com o casamento das várias farinhas, às vezes enriquecido com legumes ou passas, é prato trivial, sempre equilibrado no doce ou no sal, servido na refeição matinal ou no lanche de sol a pino. Vem fumaceando no seu quentinho aromático.
Com a aproximação do inverno e constantes geadas (ou até neve de quando em quando), as hortas são desfeitas e legumes armazenados no sótão, para se desidratarem e aturarem o tempo frio. A fragrância leva a um respirar prensado pelo encanto.
Blanche detém receitas repassadas pela avó indígena, utilizando folhas, raízes, frutos e tubérculos coletados nas encostas e pouco conhecidos pela população branca. A sopa vai se acaldando no todo de seu capricho.
Os indígenas somente faziam duas refeições diárias: ao amanhecer e ao anoitecer, porém com a chegada de novas culturas, caminharam nos furtivos que julgavam passageiros e um leve lanche foi adicionado à dieta, bem ao sol a pino.
Nos anos de grande seca, ou de inverno rigoroso, volta-se à aflissurada dieta de duas refeições, inclusive para a população não índia. E nestas acuações crescem um pouco mais dentro de si mesmos.

2 comentários:

  1. Bem monótona a vida por ali...Mas como não conhecem outra...Cristina, a vida nunca foi fácil, principalmente para as mulheres.
    Mas é uma vida calma, sem grandes sustos.
    Blanche só conhece da vida os sonhos, alimentados mais pelo instinto natural do que por conhecimento. Uma vida primitiva, quase. Instigante.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Lucinha!
    Então, menina, e pensar que a 100 anos, aqui mesmo no interior de Minas e São Paulo, a vida corria assim.
    Minha avó tem 90 anos e foi três anos à escola, como era de costume, pois o 4º ano só era feito na cidade.
    A mãe dela, Manuela, era totalmente analfabeta e "cabocla rústica": suas primas solteironas passavam as tardes "pitando" em volta do aceso fogão de lenha, e jogando prosa fora.

    Fico grata por também se afeiçoar à nossa Blanche,
    Outro beijão!

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.