20.6.13

Oliveira do Hospital


Imagens:www.google.com.br

Oliveira do Hospital é uma cidade portuguesa no Distrito de Coimbra, região Centro e sub-região do Pinhal Interior Norte, com cerca de 4 700 habitantes. É sede de um município com 234,55 km² de área e 20 841 habitantes, subdividido em 21 freguesias. Wikipédia

O que esta cidade longínqua tem a ver comigo? Eu tenho um funcionário nascido lá. Veio para o Brasil no final de 2007, adentrando pelo Ceará.
Este fato é motivo de piadas entre os outros funcionários - começar justamente pelo Nordeste? Ele é um português com sotaque nordestino...
Temos muitos nordestinos na região. São pessoas com baixa escolaridade e pouca qualificação profissional,  que procuram uma vida melhor; são alegres e dispostos. Trabalham sim, mas sem o estresse dos paulistas (se contentam com menos).
Têm um senso de comunidade maior que o nosso: quando trazem um vizinho, o tratam como da família, acolhem na própria casa, ajudam por prazer. 
O ponto onde quero chegar é que indivíduos estrangeiros jovens, são um fato não corriqueiro aqui no leste paulista. Por exemplo: eu trabalho com crianças a mais de vinte anos e nunca tive uma criança estrangeira. 
Há pouquíssimos estrangeiros dentre os nossos clientes, que  estão espalhados num raio de quase cem quilômetros de meu município.
Em oportunidades de estar com algum deles, especulo ao máximo. Costumam relatar que em relação à qualidade de vida (saúde, educação, segurança, trabalho) e oportunidades, o interior paulista em geral, comparado a outras regiões brasileiras onde viveram, se aproxima do estilo europeu.
É um Brasil diferenciado, com universidades de ponta, sistema de saúde satisfatório, vida pacata, industrialização moderna, oportunidades de mobilidade social, conforme o esforço individual.
Quem monta seu próprio negócio e trabalha com qualidade, aprimoramento, tem maiores chances.
No interior há cidades médias, sem favelas: nenhuma cidade em meu entorno possui favela. Quando nos aproximamos de Campinas, com um milhão de habitantes, a situação piora.
É por estas e outras que não podemos generalizar o nosso País Continental...
Espero que esta onda de manifestações não nos traga violência, que continuemos pacíficos, mesmo impondo nosso senso crítico. 

2 comentários:

  1. Tenho curiosidade de conhecer estrangeiros falando português, já naturalmente com aquele sotaque tão característico, falando com sotaque do nordeste.

    Bj

    ResponderExcluir
  2. Então, menina, ele incorporou tão fortemente o sotaque cearense, que os clientes nem percebem que ele é português.
    É claro que se lemos muita coisa em português de Portugal, logo percebemos, devido a certos termos, contudo ele perdeu toda a ginga portuguesa ao falar.
    Eu o especulo bastante, e tenho aprendido mais sobre os bastidores da vida na Europa, muitas vezes fantasiada por nós (ou pela mídia).

    Beijinhos interioranos.

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.