9.7.13

Blanche XXXI

*  Aqui  terá o conto completo!

Neste sábado frio e seco, em Riolama, a sineta não clamou fulminantemente... era apenas a insignificância de uma clandestina, então não houve jus à prece. 
Exausta com o arremate da prenhez, ela se mostrava ampla. Implorava auxilio a Emma e Noru. Dormir, somente aos solavancos, a imensa barriga pressionando rins e bexiga – ardor, inchaço, febres. 
Pela ausência de calcinha (à época), o sangue na ampla saia godê alertou-lhe. Chegara a hora! Em breve, as cólicas baixas gritarão. Helen e Holine entram em alerta ainda nesta quinta-feira. 
Emma jaz nas montanhas, à recolecção das abundantes e substanciais macaúbas. Serão extraídas suas amêndoas, que socadas ao almofariz encravado na pedra do quintal, efetuará uma proteica paçoca, com  farináceos e as brancas larvas a temperar. 
Blanche, bem à distância, lhe acena o florido avental, gesto que Emma retribui. Noru idealizou-a com perfeição, e assim, sempre na longitude, são amigas “virtuais”:  Emma e Blanche. 
Um hóspede javardo e macambúzio, ronda... interessado. E nuns gritinhos assustados, percebe-se as primeiras contrações rasgando com garra a região anal. 
Noru, experiente, executa à moda indígena. Arrebata a garota ao terreiro da pensão e tenta uma frenética dança, ao bater do tambor improvisado, sem aparente periculosidade. 
Intermitentes, as contrações bravias apertam e retraem, estraçalham a ponto de partir-lhe ao meio, em contorcidas dilacerações talhando as ancas. 
Em oraçõezinhas, Emily alonga-se no quarto, pelo desespero. Suas ligações neuronais a transportam a Corda Bamba, nos incontáveis falecimentos por parto do inferninho onde trabalhava. 
O inconveniente forasteiro auxilia a deslocá-la à alcova, após o frustrado trabalho de Noru em prol da dilatação. Em agonia, quase sem ar, solta urros nos segundos de padecimento dilatal, acocoradinha ao pé da cama. 
Uma sensação desumana e grosseira. Berros horrendos, enfim um punho de dilatação. Logo redunda em nefasta escuridão, quase desmaia. 
O lisérgico chá das cascas de bergamota selvagem. Incenso alucinógeno nefelibaticamente espalhado. Consternante impotência, passa o tempo, não passa a  atemporal aflição. 
A insuficiência, fragilidade e morosidade das técnicas de parto, o esgotamento físico. Vai-se um dia. Intensas e avassaladoras, as dores quase perdem sua alentosa intermitência. 
Em força descomunal, sempre de cócoras, na explosão fônica, expele uma cabecinha. Os ombros não saem, não ultrapassam, estão enroscados... 
– Piedade! 
Um repúdio dilacerante, vocifera, achincalha, admoesta... se livra. A garotinha é expelida. Angústia  estranha... Por que não acaba? 
A incúria das parteiras redunda noutra cabeça. Gêmeas? Ofegantemente, após quase dois dias, num lapso de garra e rugidos, enfiando uma mão nas próprias entranhas, escarra outro bebê. Muito menor. 
A dor foi arremessada longe, com Edith e Judith. Todavia sente algo jorrando, escorrendo... Emily, que covardemente adentrara a pouco, muda de feição. Apressada, retira as bebês do aposento. 
Visão turva, fugindo, Emma aperta-lhe a mão. As parteiras se acotovelam. A cunhã traz e leva panos, água fervente; bebezinhas chorando longe, longe... 
Questiona o constrangedor e flagelado segredo: Cachoeira hemorrágica. Seu útero exausto, dilatado e dilacerado, está aberto e expelindo sangue, feito esponja espremida, sem resiliência. 
Depois de tanto martírio? Dúvidas existenciais, palidez, assombro, impotência. Transcendência...
Fora enterrada, a pedido de Emily, junto ao pé de sabugueiro, ainda em brancas flores, a adolescente prostituída. 

7 comentários:

  1. Olá!Boa tarde
    Cristina
    Como vai? Comigo, bem!
    Dizem que um bom escritor/a envolve o leitor...
    O mais "tocante" de todo esse capítulo foram os relatos de uma experiência de um parto muito...a insuficiência, fragilidade e morosidade das técnicas de parto... dramático. À luz das evidências, todas essas cicatrizes serão muito profundas e vão muito além do corte...Emma não suportou!
    Obrigado pelo carinho da visita
    Bela quarta feira
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Felisberto! Também estou ótima.
    Eu só escrevo de brincadeira, poeta...

    Deixei um alerta, pois o que matou Emma nos idos de 1800, continua matando meninas ainda hoje, ao redor do Planeta.
    Na minha infância roceira, lembro-de do trauma do primeiro parto, onde essas garotas eram assistidas por parteiras com muito boa vontade e pouquíssima estrutura.

    Tenha um excelente restante de semana,
    Outros beijos.

    ResponderExcluir
  3. Errata:

    Na verdade, não foi Emma quem faleceu. Foi a prostituta branca (Emma é negra).
    Ela permaneceu tão pouco tempo em Riolama, que seu nome evaporou-se...

    ResponderExcluir
  4. Oi, Cristina!
    Claro que pode participar no desafio. ( Não é bem um desafio, é mais um convite...)
    Hoje publiquei uma estória para ver se desbloqueio as pessoas que tenham algum receio em participar.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Carlos! Vou conferir.

    Outro beijinho prá ti, e tenha um excelente verão!

    ResponderExcluir
  6. Emocionante esse capítulo!
    Beijo, Cristina.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Lúcia!
    Retrata o cotidiano sertanejo do século passado, embora ainda hoje, algumas mulheres enfrentam esta batalha nos rincões isolados em diversos locais do Planeta.

    Fico agradecida por sua assiduidade,
    Outros beijões para ti!

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.