6.10.13

Blanche - XXXIX

*  Aqui  terá o conto completo!

A semana apressurou-se na montanha dos caprinos, todavia Blanche não abandona a psicodélica figurona do eunuco, nem tampouco o estranho desembrulho de Peter para consigo, assim do nada...
Peter, no seu juízo emaranhado, nunca lhe puxara uma prosinha sequer, interceptava seus comentários com ríspidos escudos monossilábicos. Num esvaimento do espírito, ela se perde naquele invulgar ocorrido.
Já conta dezessete anos e nota-se a quase madurez, feito aquela primeira manga de-vez nos jogando um chamego do alto intransponível da mangueira. Completa um quinquênio com esta família. Enquanto cisma, após o “esposo” alçar a morraria, descai suavemente e afaga um dos cães.
Scott é tão absorto em suas atitudes, que chagam a parecer ensaiadas: após a ordenha, dirige-se ao desgalhado ingazeiro à beira do regato, colhe-lhe uma penca de precoces bagas. Sentado num sombreado, estica o beiço e abre meticulosamente cada uma, chupando as nevadas sementinhas, que num canto de boca expele prá longe... e amontoa a cascalhada.
Com grunhidinhos de êxtase, o cão se deixa esparramar à sombra da dona, todo mergulhado na relva fresca do terreiro. A cauda negra, ganha leves tons dourados, por fora da navalhante sombra matinal. 
Por remeter à Eric, é seu animal favorito, e bem sabe! Rola vagarosamente para cá e acolá; e quando finda a blandície, cutuca as leves mãos dela com o úmido focinho, solicitando extensão, idêntico a Eric. 
A cinzenta choça de troncos emoldura-se a oeste, pela grande floresta íngreme; e para além dela, na descida, floresta adida à imensa reserva indígena. Sol de alvorejar ataca a fachada: brilha, doura, cega, aquece.
Mas o que ocasionara a abrupta evasão daquele emblemático sacerdote?  Fuga? Expulsão? Naqueles largos segundos a que se fixou no eunuco, viu-o rindo estrondosamente, e apagou-o depressa, lavou-o de si.  
Na deleitável montanha, quase finda-se o paraíso primaveril: novas folhas e flores, gansos na aguada abaixo, parição de fêmeas... todavia a implacável tempestade de granizo aniquilou galinhas e arrasou plantações por toda a pradaria abaixo. 
A genitora de Lucano, em Riolama, adoeceu bruscamente, e logo veio a falecer pela febre repentina. O mesmo se sucedeu à regateira senhora viúva que a tutelou. A enfermidade não se alastrou devido à quarentena instituída (a tempo) por reverendo Albert. 
O supersticioso vilarejo encontra-se em luto, e apreensivo pelo receio da febre inclemente. Aglomerações estão proibidas por quatro semanas. E para completar as tragédias, o fogo ardeu na cabana da família novata, na estreita fazenda rumo ao rio orgástico. 
Neste domingo, ocorre mutirão de reedificação, pois a parentela habita de improviso, a espremida tulha. Dois outros mutirões remendam as plantações... Os três adversos eventos acirram a crença nos poderes macabros do eunuco, já tão estigmatizado. 
Scott, aos gritos, interpela os devaneios de Blanche; está quase em prantos: um marimbondo caçununguçu lhe ferroou o lábio superior. O inchaço aos poucos deforma seu rosto; ela "voa" ao regato e retorna com argila fresca; ampara "seu neném” com fleuma ternura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.