18.12.13

Um só peso, duas medidas


Um adolescente terminou o ensino médio e não quer cursar faculdade. O pai impõe um emprego, e liga para o político que apóia a anos. 
- Preciso de um emprego urgente para meu filho!
- Posso ajeitar vaga de Assessor na Comissão de Educação do Congresso, R$ 12.800,00 por mês, prá começar.
- Ele só tem ensino médio, assim não vai querer estudar mais, veja algo mais abaixo.
Dois dias depois: 
- João, secretário de um deputado serve? Salário modesto, R$ 10.100,00.
- Nããão, algo com um salário menor, eu preciso que ele volte a estudar depois. 
- Tem um de assessor da câmara, que é só de R$.6.500,00, que tal?
- Ainda é muito, aí que ele não estuda mesmo. 
- Olha, João, então só um carguinho de ajudante de arquivo ou alguma coisa de informática, salário de R$ 3.800,00 por mês, sem as gratificações, você vai ter que inteirar com mesada.
- Por favor, cê não tá entendendo, ache alguma coisa entre 1.000,00 a 1.600,00, no máximo!
- Isso é impossível, João! 
- Mas, por quê? 
- PORQUE com este salário, somente vaga pra Professor. E precisa de curso superior, especializações, 
aperfeiçoamentos, extensão universitária, e em certos casos, até mestrado, doutorado... 
...E tem que passar em concurso. Mas teria uma vantagem, João, ele iria continuar estudando muuuuuito!

Texto que circula pelas escolas a tempos. Desconheço a autoria.
Imagem: daqui

2 comentários:

  1. O texto é muito bom e quem se acomoda perante estas situaçoes, nao sabe o que é justiça.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Bruno, você está bem?
    Olha, espero que em Portugal e na França, o quadro seja diferente.
    Aqui no Brasil, há uma discrepância abismal entre os salários dos políticos (não apenas da capital Brasília) e dos professores "primários".
    Temos mesmo que colocar a boca no trombone.
    Grande abraço procê.

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.