4.1.14

Granola

Uma granola nada mais é que uma mistura de grãos. Cada pessoa pode (e deve) preparar a sua de acordo com seu gosto e necessidade.
As granolas industrializadas costumam conter muitos flocos de arroz, que dão volume, são baratíssimos, todavia não é interessante ingeri-los.
O açúcar mascavo também está presente (até em excesso) em várias granolas, o que dificulta sua utilização em pratos salgados. Eu preparei a minha com:
230 g de ameixas secas sem caroço - R$ 4,80
200 g de aveia em flocos bem finos - R$ 2,60
80 g de uva passa sem sementes - R$ 3,10
100 g de sementes de girassol descascadas e cruas - R$ 3,50 
500 de fibra de trigo (farelo) - R$ 3,50
150 g de farinha de chia torrada - R$ 14,00
500 de aveia (grãos inteiros) - R$ 3,90
200 g de farinha de linhaça marrom - R$ 5,15
Não coloquei canela em pó porque já tomo água de canela (em pau). Usada com moderação, é uma opção para quem não é hipertenso, visto que a canela é um produto de altíssimos benefícios  e agrega aroma e sabor maravilhosos.
A aveia em flocos fininhos e a uva passa, eu tinha em casa, então estimei o preço. Coloquei ameixas secas, pois são amigas dos intestinos.
A base de toda granola deve ser a fibra (neste caso, farelo de trigo). A aveia também não deve faltar, portanto coloquei nas duas formas.
Frutas secas (passas, desidratadas, cristalizadas) também são fundamentais para agregar sabor e enriquecer a mistura. Eu adoro o damasco picadinho.
O girassol, chia e linhaça (semente) é que são variáveis. Há outros grãos nobres como quinoa, amaranto, gergelim, sementes de abóbora, centeio, cevadinha, germe de trigo, lecitina de soja, dentre outros.
O amaranto e quinoa (cereais), a chia (semente) e a semente de girassol são grãos andinos, consumidos pelos Incas, Maias e Astecas, assim como por seus antecessores. São os grão americanos.
A quinoa se equipara ao leite materno, sendo utilizada pela NASA na dieta de astronautas, porém  deve ser consumida preferencialmente cozida para potencializar nutrientes. 
As castanhas são opcionais: coco em flocos, castanha do pará ou caju, nozes, amendoim torrado. O importante é saber que são calóricas, assim como as tâmaras e guaraná em pó.  
Certas granolas, para aumentar o apelo comercial, podem conter sal, açúcar, corantes, conservantes, aromatizantes, realçadores de sabor (glutamato), acidulantes...
Meus produtos renderam quase dois kg de granola, num gasto aproximado de R$ 40,00. A chia é o produto que mais encareceu a mistura: R$ 14,00 por 150 gramas.  

Aqui, os ingredientes. A aveia em flocos está sem rótulo, pois eu já havia dispensado a caixa.
A mistura numa bacia. Piquei as ameixas. 
 Não coloquei mel ou óleo de girassol para amalgamar, porém é uma opção.
 Dividi em três partes, embalei duas, grampeei e guardei no congelador para não embolorar.
 A terceira parte que ficará em uso.
 Meu primeiro almoço na reeducação alimentar: arroz branco com cenoura ralada e talinhos de couve (como sempre faço), feijão carioca com lentilhas liquidificadas (congelei nos potinhos), omelete de um ovo e uma colher rasa de granola, abóbora cozida no vapor.
Pretendo usar mais a granola no lanche da tarde, com frutas ou iogurte, para não varar de fome na janta. 
Para o paladar do Par, numa colher rasa da mistura, retiro as frutas e acrescento carne desfiada, azeitonas, palmito ou queijo picado, azeite,  senão ele não come. Vitamina também ele toma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.