5.3.14

A obra

Subimos a serra por três semanas consecutivas, e continuaremos. Neste feriado, foi a parte mais suada: entelhar a estrutura metálica, e destelhar o velho anexo. Nunca carreguei tanta telha!
A parentalha da cidade? Não apareceu uma alma viva sequer! Fizemos tudo sozinhos: o "Par" e eu (muito mais ele, que eu). 
Enquanto ele não precisava de ajuda, cozinhei refeições e fiz muito doce de goiaba em calda (meia-lua), que fica uma gostosura batido com leite. Há 5 potes na geladeira para o ano, pois as goiabas não esperam, estão caindo ou sendo comidas por pássaros. 
Na ida, quase atropelamos um teiú, com a caminhonete carregada. Havia muitas folhas na estrada sombreada e ele se camufla. Comia frutinhas vermelhas bem no meio do caminho, e não saiu. 
Creio que ficou traumatizado e se fingiu de morto... tive que cutucá-lo com uma vareta, para que subisse ao barranco. Ficou assim: apenas com a cabeça escondida (cérebro de bebê).
Será que estava em pânico? Eu poderia pegá-lo tranquilamente. Era um exemplar adulto, medindo cerca de 70 cm, da cabeça ao final da cauda. Os primos disseram que eu deveria levá-lo a eles, pois comeriam o pobre. Não mesmo!
A estrutura que o "Par" está fazendo sobre o teto com cupins. Aproveitamos para fazer a varanda à frente. Não fizemos de madeira porque ele não é sua especialidade.
Foi "brabo" ajudá-lo a erguer cada telha pesada, esta bancada foi a salvação. Definitivamente mulher não tem a mesma força bruta dum homem.
Aqui, eu aguardo pela telha, sobre a bancada. Ele ficou tão cansado que ao final do dia andava abaixadinho, meio travado. Nada que uma noite de sono na roça não resolvesse.
Haja protetor solar, e o chapéu não parava na cabeça. Fervi litros e litros de água da mina, enquanto monitorava o quanto tinha na geladeira, ainda geladinha. 
 Esquecemos o prumo, mas ele improvisou com as garrafinhas e água.
 Ufa! Pouco a pouco toma forma, e parafusa cada uma, para não deslizar.
Há madeira podre por todo lado, mas já está melhorando. Reativaremos também este sanitário (vitro à esquerda).
Encontramos muitas aranhas, algumas venenosas, com marcas amarelas. Essas, eu matei. 
Estes ovinhos são de calango - menores que uma ervilha, porém grandes para a calanguinha botar.
Os primos farão o trabalho de pedreiro, após finalizarmos a estrutura.
Estou  com os pés e mãos ressecados, pernas e braços arranhados, esfolados, contudo foi ótimo - um carnaval diferente.
Levei três ferroadas de marimbondo caboclo, mas não dói tanto, é maneiro e faz bem pro sangue. Nos preocupamos com segurança e tudo correu bem.
O "Fiotão"? Estava em Itanhaém. Não iríamos mesmo incomodá-lo, pois não frequenta o sítio (não curte muito).
Ainda resta levar material para os primos trabalharem, serão várias viagens. Depois mostro o resultado de meu "Resortinho".

8 comentários:

  1. Salam, Cristina!

    o seu relato é muito aconchegante, dá uma vontade enorme de estar aí também e compartilhar contigo as emoções puras da vida.
    Vou gostar de ver o "resortinho" pronto! Boa obra!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise!
      É tudo muito matuto, muito caipira. Neste anexo, fico independente do casarão, que por vezes fica lotado. Usamos apenas a cozinha conjuntamente, pois comer agrupado é melhor!
      Outro abração.

      Excluir
  2. ~ Mas que grande azáfama Cris!

    ~ Esta valente disposição acontece quando há sangue de pioneiros correndo nas veias.
    ~ O esposo parece que combina muito bem contigo.

    ~ Em breve, gozarão os regalos do edifício recuperado.
    ~ Têm energia elétrica?
    ~ Esou a pensar no computador.

    ~ ~ ~ Beijos navegados. ~ ~ ~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Majo!
      Tem eletricidade, mas não tem Internet; não pega - fica longe das antenas.
      Há TV com parabólica, contudo não tenho paciência para assistir; prefiro curtir a natureza e conversar com os primos roceiros.
      Quanto à disposição, é necessidade! O teto acabaria nos caindo à cabeça, e o marido não teve escolha.
      Grande beijo.

      Excluir
  3. Olá, querida Cristina
    Amo roça... gosto do interior e de tudo que lá tem...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosélia!
      Que bom você gostar de mato... há pessoas que não se acostumam, têm medo dos insetos.
      Outro beijão prá ti.

      Excluir
  4. ~ Que tudo corra bem.
    ~ Sorte, amiga.
    ~ X ~

    ResponderExcluir
  5. Grata, Majo!
    Tudo de bom a ti,
    Beijão.

    ResponderExcluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.