28.8.14

Sufoco

Estou na labuta desde 4 h 30, colocando a roupa da noite no varal, enchendo a máquina com mais, almoço, lanches, meu suco verde, louça.
Passei aqui pela oficina 6 h 30 para organizar o dia, pedir desculpas ao marido e voei prá escola. É, ainda sobra tempo para brigar com o marido, mas já me arrependi.
A criançadinha estava subindo pelas paredes, quase literalmente. Voltei meio-dia, fiz notas fiscais, organizei, fui à lotérica pagar contas, ao depósito de materiais buscar algo para o pedreiro.
A oficina estava bufando de serviço, fone tocando, clientes chegando, trabalhos atrasados, colaboradores em horário de almoço.
Só a pouco consegui correr em casa, pegar pão (caseiro) com queijo e frutas. Minha sopinha pelando de quente a qual estou acostumada, fica para a janta. Ainda falta correr lá e esvaziar a lava-roupas.
Ontem fiquei preparando provas avaliações até 23 h 00, pois o terceiro bimestre se encerrará mais cedo. Tenho roupas a passar, pois derrubei o ferro da cama e não está funcionando. Daqui a uns meses dias, meu Par conserta...
E toda a correria é para poder sair de viagem amanhã à noite pr'um lugar que já conheço. Sobra ainda a preocupação em deixar a firma só na mão do pessoal, no sábado de manhã, pois o filho tem pós graduação em S. Carlos e não pode ajudar. 
Será que vai dar tudo certo? Veremos.

27.8.14

Pancadão

Sim, chove! Desde ontem o tempo está nublado, e logo após a saída dos alunos ela veio triunfante...  e com direito a dois trovões retumbantes.
Pena já estar cessando, contudo a enxurrada desce encorpada. Da escola aqui, tomei um bom e merecido banho, após tanta secura. Nem sei que fim levou a capa que ficava no baú da moto.
Espero que fique um chuvisqueiro intermitente pelo resto da tarde. Acabo de atender a um telefonema formal, e a pessoa ouviu o barulhão nas telhas do barracão; imediatamente a fala se tornou informal e festiva.
Impressionante como as pessoas vêm à calçada observar o raro e tão necessário fenômeno natural. Agosto sempre foi o mês mais seco do ano, porém neste ano estamos secos desde janeiro, a paisagem castanha não oferece mais pasto aos animais e os bichos silvestres devem estar em aperto por aí. 
Ainda não tivemos racionamento de água graças à brava batalha de nosso rio sagrado Jaguari, entretanto as cidades vizinhas nem sempre têm a mesma sorte.
Imagem net.

25.8.14

Gelinho ou charutinho?

Os adeptos (mesmo que forçados) do suco verde ao jejum já devem fazer uso do gelinho de couve. Eu, particularmente acho bem mais prático o charutinho.
Retiro o talo da couve, recheio com salsa, hortelã ou outra erva, ou meus matinhos de estimação (trapoeraba, beldroega, trevo, erva de fazendeiro, picão), formo um charuto, acondiciono num potinho e congelo. Fico livre da oxidação causada pela lâmina do liquidificador.
A couve pertence à família das brássicas, então cuidado com a tireóide devido ao bociogênico isotiocianato. Mesmo se tratando de alimentos saudáveis, moderação e temperança não saem de moda; há tantas outras folhas para se alternar...
Influem no equilíbrio da tireoide fatores alimentares, toxinas e alérgenos (inflamações constantes), exposição solar adequada, água e ar de qualidade, regulação de sono e vigília, relaxamento, movimento, fígado e intestinos íntegros. 
Profissionais capacitados direcionam individualidades bioquímicas através de uma alimentação balanceada e funcional, pois a fonte do bem estar é o estilo de vida. O que faz bem a uns, faz mal a outros, num jogo de carências e excessos.

Imagens da net

24.8.14

Decifrar rótulos

tabela nutricional aprenda a ler rotulos dieta blog da mimis

Este exemplo de Portugal especifica bem; para facilitar a leitura, copie e cole no word, ampliando.
Eu tenho aulas com nutricionistas da merenda do setor de nutrição escolar, para transmitir às crianças a leitura de rótulos. Bonitinho vê-las à procura do sódio, da gordura saturada, da quantidade de fibras.
Note os primeiros alimentos elencados na lista de ingredientes (pois sempre estarão em ordem decrescente). Se um pão integral não tiver a farinha de trigo integral, e sim a branca, dentre os primeiros ingredientes, cuidado! Se o açúcar estiver no início da lista, descarte. Se gordura ou sódio aparecem logo no início, fique atento.
Na tabela nutricional, observar o tamanho da porção diária (VD) é fundamental, pois às vezes diz respeito a apenas um biscoito tipo cookies, por exemplo. E quem consegue comer só uma unidade diária? Se na outra marca a porção for de 3 biscoitos, parecerá falsamente de pior qualidade, mais calórico.
No caso de apenas um biscoito, aparecerá 0% de gorduras trans, pois quantia inferior a 2% entra como isento pela ANVISA. Comendo-se mais de um, a quantia de gorduras trans aumenta... grave! Uma lupa escolar (simples) na bolsa é fundamental, pois as letras são mínimas.
As gorduras boas são excelentes fontes de energia e ainda ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K. É um item importantíssimo a ser observado: mais mono e polinsaturadas; menos saturadas/trans.
Biscoitos industrializados podem ser perigosos; faça-os em casa. Biscoito água e sal aparentemente inocente (2 unidades)- 1 g de gordura trans; biscoito recheado (2 unidades)- 1,5 g; biscoito tipo wafer (4 unidades)- 5 g. Que veneno! Há quem consuma um pacote todo... trans ajuda na crocância e aumenta o prazo de validade.
Observe: muitos alimentos doces são ricos em sódio; todo cuidado é pouco. Veja primeiro as gorduras, sódio e fibras do produto, eles determinam sua qualidade. As fibras, juntamente com muita água, farão nossa faxina interna, eliminando toxinas e resíduos.

Agosto

Aqui no interior, diz um ditado que agosto é o mês do desgosto, daí ser o mês do folclore e de cachorro louco. Não concordo com o desgosto. Tudo bem que é o mês mais seco e ventoso do ano, que é loooongo e não tem feriados, que vem logo após o recesso escolar, trazendo a ressaca das festas de peão.
Verdade é que agosto tem o céu de azul mais vidrado, sem fiapinhos de nuvens, e é ótimo para soltar pipas no dia dos pais, e seus dias são um pouco mais longos e quentes que junho e julho, e está próximo à primavera, e coincide com as férias europeias, e é o mês dos citrus, e tem campeonatos voo livre no Pico do Gavião.
Em minha infância rural, havia um feriado muito importante no dia 15 de agosto - assunção de Nossa Senhora. Os festejos envolviam reza, quentão com pipoca e dança de catira.
Neste ano, agosto foi economicamente atípico. Tradicionalmente é o mês mais fraco calmo do ano na oficina, contudo tivemos serviço a não mais poder. 
Na escola, eu tinha economizado dois dias de descanso a que tenho direito por ter trabalhado nas eleições (T.R.E.). Todo mundo já compensou, porém eu sou TOC de tempo e sinto muita necessidade de deixar esses dias em caderneta de poupança até o último instante.
Ser TOC  de tempo implica manter um grande controle na organização temporal, por exemplo: um TOC de tempo prefere trabalhar aos finais de semana e ter uma folga semanal para possíveis eventualidades; prefere entrar de madrugada no trabalho, sabendo que não perderá a hora; prefere tirar férias aos poucos e deixar um resto para imprevistos.
Com a aproximação de novas eleições, vou descansar amanhã e na primeira segunda-feira de setembro. Amanhã, para arrumar as malas, pois até que enfim vingou a viagem a S.Tomé . Na outra segunda, para desfazer as malas e ajeitar tudo. As segundas-feiras são estratégicas, pois assim me livro também das reuniões pedagógicas noturnas.

Namoro

Imagem da net
Estava comentando com o meu Par sobre as gêmeas, que completaram 28 anos. São contraparentes (sobrinhas de meu concunhado) e nasceram nove meses após meu filho: doei várias coisinhas dele a elas na época; afinal, eram duas.
À época da gravidez foi um "auê", pois vivem numa cidade minúscula e o suposto pai não quis casar (era casado e "largado"), veio de fora trabalhar numa empreiteira.
Quando familiares foram tirar satisfação, praticamente com arma em punho, receberam a bomba de que a moça era "rodada", passava de mão em mão. Os parentes se afundaram e vergonha e decepção. Hoje as gêmeas são duas lindas mulheres idênticas (prá mim são idênticas).
Cerca de 10 anos após esse fato, trabalhando como conselheira tutelar, eu atendi uma família cujo pai deveria fazer teste de paternidade: eram anos 90 - época da febre de DNA. 
Tratava-se de um senhor com cerca de 50 anos, negro e bonito, uma senhora branca pouco mais nova e uma garotinha parda, de 7 anos. Todos muito pobres.
Numa reunião para convencer o suposto pai a proceder aos exames, o mesmo nos confidenciou em tom de desespero e indignação:
_ Mas eu paguei... paguei!
Então percebi que se tratara de prostituição, e que existe um código de honra entre cliente e prostituta. No caso, o código havia sido imperdoavelmente quebrado - ela engravidara e ainda queria que ele assumisse. A família original dele ficaria melindrada.
Não teve jeito, DNA pronto e pensão alimentícia por muitos e muitos anos. A criança? Situação delicadíssima em meio a esse embolo.  
Hoje os relacionamentos são mais amplos, claros e menos carregados em pré-conceitos culturais. Namorar, seja lá em que idade, é sinônimo de prática sexual. Gravidez é risco menor, contudo ainda é risco. 
Qualquer casalzinho que namora, logo um dorme com o outro: ou na casa dele, ou dela, ou ambas... sinal dos tempos. Se trocam de par diversas vezes, a ladainha se repete.
Eu conheci meu par aos 15 anos, quando ele tinha 17; e "ficamos" (namorico inocente). Depois de um tempo afastados, aos 16 e meio passei a namorá-lo. Me casei aos 20, tive filho aos 21. Era assim a cultura de minha geração, não precisávamos trocar tanto, éramos mais sossegados.
Hoje tudo mudou, porém não vejo o fato como o fim dos tempos, desde que não surjam gravidezes indesejadas, sobretudo com casais adolescentes, pois a vida da criança já se iniciará turbulenta. 
E um viva às emoções!

23.8.14

Perdido no mato

Resultado de imagem para imagem jipeiros
Imagem da net
É assim que está meu "Par"; ele e  o vizinho. Foram à trilha de jipeiros na cidade vizinha e nunca voltam; após três tentativas via fone, ele me retorna num zumbido inaudível, com distantes vozes de homens... 
Filho retornou via celular e soube que estão presos por um jipe quebrado à frente, num lugarzinho apertado, onde só passa um. Conclusão: estão tentando consertar o jipe enguiçado, para abrir passagem nalgum matagal qualquer.
Trilha de jipeiros é assim, imprevisível. Excelente pela manhã, muito bom à tarde e horrível quando a noite chega. E eu que escapei por ter o curso... sem graça estar no escuro, com frio, fome, sono e desconforto - larga mão! 

21.8.14

Cheio, cheio...

Dia cheio, sem tempo para um respiro profundo comigo mesma... desde às 4 h 30 da madrugada fazendo lanches naturais prá família, suco verde prá mim, almoço, louça. Passo na oficina, dou uma ajeitadinha na agenda do dia e vupt para a escola.
Tenho 10 minutos para ajeitar a sala antes que toque o sinal HORROROSO 7 h em ponto. Hora de colher minhas crianças, tão lindas em duas fileiras. Com elas, a manhã voa e meio-dia estou de volta à oficina. Ajeita, ajeita, respira e subo para almoçar minha sopa de legumes (com caldo de feijão bem espesso).
Mal retorno e o telefone toca sem parar, e atende cliente em loco, e busca e leva serviço, e liga para clientes agendando pagamento, e faz notas fiscais naquele site da prefeitura que emperra o tempo todo. E o "Par" estressado  estressadíssimo mordendo o vento.
Colaborador de licença a quase 2 meses, outro cai da bicicleta, serviço atrasado, clientes berrando, e justifica o atraso, e cada vez chegando mais... nem fiz minha corrida nesta noite, saí de lá 18 h 30. Fui lavar uma máquina de roupas e fazer broinhas de fubá pro "Fiotão" levar ao trabalho amanhã. 
Poxa! nunca vi um agosto tão atarantado como este; costuma sempre ser o mês mais calmo do ano. Será a ressaca da Copa? Estou pressentindo que deveremos contratar mais um colaborador para a oficina.
Tenho tanto blog para ler, tanta ideia para escrever, tanto livro começado, e a casa em reforma, e o curso no sábado, e viagem noutro sábado, e o ano letivo correndo, e algumas crianças que ainda não lêem. Ficou cansado?
O que me acalenta é ouvir o choro intermitente dos "geminhos" de duas semanas, na casa em frente. Um casal de veterinários está rebolando para dar conta dos dois garotinhos dia e noite, noite e dia.

19.8.14

Suco verde/ rosa e flavonoides


Alimentos ricos em flavonóides

Os benefícios dos flavonoides, por serem antioxidantes, estão no combate às alergias, câncer, inflamações, hemorragia, aumento da absorção da vitamina C, ação hormonal e proteção cardiovascular.
Antioxidantes são substâncias protetoras de doenças relacionadas aos danos causados pelo oxigênio reativo: artrite, arterosclerose, diabetes, câncer.
Flavonoides são encontrados em frutas, vegetais, chás, vinho, cacau, soja ((isoflavona - hormônio) e seus benefícios dependem da quantidade correta, em torno de 23 mg diárias. Tudo em excesso é prejudicial, temperança e moderação são regras de ouro!
Há várias subclasses: flavonas (inibem tumores), flavonois (antioxidantes), isoflavonas, flavononas (vascular), antocianinas, flavonols, flavonois.
A antocianina é um flavonoide de pigmento que vai do alaranjado ao arroxeado, protegendo a planta dos raios UV, insetos, fungos, vírus e bactérias. Portanto, cascas geralmente são ricas neste pigmento e enriquecem o suco - uma casquinha de maracujá, de mexerica (flavonona), de banana e muitas outras, devidamente higienizadas e orgânicas.
A naringenina é uma flavonona (flavonoide - flavonona - naringenina) encontrada nos citrus e sobretudo em suas cascas, ajudando na absorção da glicose e apresenta ação hipolipidêmica.
Duas vezes por semana o suco pode mudar de verde para rosa, com beterraba, frutas vermelhas e suco de maracujá/ laranja. A beterraba crua é magrinha, dá disposição e evita retenção de líquidos. Boa pro coração, contudo inimiga de quem tem predisposição à pedras nos rins.
Traduzindo: flavonoides são "óleos de máquina" que combatem nosso enferrujamento, afinal também temos ferro.
ALERTA - no último trimestre de gravidez, pode prejudicar o funcionamento do coração do feto, segundo um estudo brasileiro publicado no “Journal of Perinatology”. Alerta retirado daqui
A função anti-inflamatória dos flavonoides inibe a produção da prostaglandina, substância produzida pela placenta e que tem a função de manter aberto um canal, denominado ducto arterioso, que une a artéria pulmonar à aorta. Depois dos sete meses de gestação, esse canal depende da prostaglandina para ficar aberto.
Retirei a imagem daqui

18.8.14

Insulada

Passei o final de semana assim. Antes do término do expediente de sábado, o telefone emudeceu. Achei bom aquele sossego e após verificar a fiação interna, o Par tentou contato com a operadora. 
Pela morosidade, desistiu... só fomos procurar reparo novamente nesta manhãzinha. O defeito era na rede externa e logo se normalizou. Concluindo, fiquei em casa, mas sem a net, sentindo falta!
Leitura e TV foram as opções, além do trabalho doméstico. Comecei dois livros e desisti - estranhos. Vi uns programas bons de entrevistas e documentários na TV paga e assisti a um filme sueco de época, com famílias nobres envolvidas em teatro e com fantasmas. Adorei, pois me desgastei daqueles hollywoodianos a uma década.
Na sexta-feira, para encerrar a letrinha M na escola, uma criança (indicada) levou um item, como de costume. A mãe dela mandou um sachê de milho cozido - M. Foi uma festa ver aquele bando de porquinhos comendo puro milho com as mãozinhas aparadas. É tão fácil fazer criança feliz!
Hoje, uma garotinha que vivia numa olaria me pediu:
_ Tia, pó pegá u arcu pá ponhá na carteira?
Na hora, eu pensei que se tratasse de um arquinho de cabelo (tiara); porém, caipira letrada como sou, percebi logo que ela sujara a carteira após a colagem e respondi naturalmente:
_ Pode colocar um pouco de álcool gel para limpar, sim!

15.8.14

Viver "pasamiga"

Aqui, na altura de meus 50 anos, olho para trás e me lembro de cada rostinho, cada amiga íntima e fiel que me marcou e me completou desde a infância.
Foram primas, vizinhas, colegas de escola ou de trabalho que tanto me ensinaram, me fizeram rir, ouviram minhas mágoas e eu as delas, fizeram companhia nos momentos de insegurança.
Casei-me aos 20, tive filho aos 21 e passei a ter no marido "aquela principal amiga", as outras foram se tornando cada vez mais coadjuvantes. 
Coadjuvante também fui eu muitas vezes, enquanto fazia papel de segunda amiga em algum trio ao longo da adolescência. Poucas vezes me melindrei com este posto, ele me contentava e não me exauria tanto.
Interessante é que uma amiga cumpre um determinado "cargo" num contexto específico, e se o contexto muda, a amizade deve se adequar, ou acaba se esvaindo. Por exemplo: se são amigas no trabalho e uma muda de emprego, se terminam o curso que faziam juntas, se deixam de ser vizinhas, se uma se casa...
Perdi muitas grandes amigas numa destas situações... parece que a relação de interdependência é o fio condutor que mantém a "mão dupla" da amizade. Uma relação purinha, sem um mínimo de afinidade ou pertencimento requer algo mais para perdurar.
A dias me encontrei com uma antiga amiga e o calor da intimidade havia desaparecido, éramos duas conhecidas que tudo sabiam uma da outra e desaprenderam, agora a química mudou. Parece que a gente se olha e enxerga um passado, uma época congelada na memória que pouco diz do nosso eu atual.
Imagem daqui

Suicídio

Diante dos últimos acontecimentos hollywoodanos, há que se debruçar sobre um tema tão carregado em preconceitos e controvérsias.
Excluindo-se aqueles descabidos casos de honra, possivelmente uma pessoa não tira a própria vida em si - o que ela pretende retirar é a agonia extrema que a aflige e consome.
Esta agonia tanto pode ser desencadeada por uma dor física dilacerante e contínua, a perda de um ente próximo, doenças psíquicas como depressão, consequências geradas pela dependência de substâncias e outras causas que algum psiquiatra possa melhor esclarecer.
Aos seis anos, meu filho tinha um amiguinho com surtos de melancolia. Ele (meu filho) o chamava para brincar e o garotinho respondia:
_ Deixa só esta tristeza passar, daí a gente brinca...
Eu compreendi este fenômeno cerebral que pode desfechar-se em suicídio a mais de 15 anos, quando trabalhei como conselheira tutelar.
Uma mulher cujo sobrinho era dependente químico, foi acusada pela irmã de ser desequilibrada, de tentar suicídio por diversas vezes e afetar a personalidade do garoto. Ela era depressiva.
Conversando em particular comigo, esclareceu que não queria morrer, ansiava por alguma réstia vida; apenas tentava matar aquela angústia profunda que a acompanhava dioturnamente. 
O ato de realizar cortes rasos na região próxima ao pulso esquerdo não significava tentativa de suicídio - era uma maneira de sentir outra dor senão aquele martírio, de esquecer momentaneamente aquele tormento e sofrer com um incômodo físico, palpável, concreto e principalmente controlável.
Os cortes mais profundos eram em razão da demora em abstrair-se da depressão, da demora em penetrar no mundo real, de dores com significância. A hemorragia decorrente dessa profundidade fazia com que a irmã pedisse socorro médico, e daí o mal entendido geral. 
Ela mesma custou a tomar consciência de que amava a vida: não aquela, mas uma vida minimamente vivível, passando então a manter um maior controle sobre os cortes naquele braço axadrezado de cicatrizes.
A vi esta única vez, e demonstrei minha compreensão e respeito por seus mais profundos sentimentos. Já esqueci sua fisionomia, contudo nunca me esquecerei de sua lição de vida e sua garra por detrás de tanto desalento. Uma grande mulher...

14.8.14

Ai, que vergonha!

Pois é, tão velha e com mania nojenta... eu tenho o estranho hábito de cheirar as meias após tirá-las para o banho. Será que é patológico? Pode ser carna de vidas passadas?
Verdade é que não tem a ver com a infância, pois naquela época eu vivia acampada nas havaianas; pés com meinhas era tão somente para datas especialíssimas. Quantas manhãs de inverno cruzei trilhas orvalhadas ou mesmo esbranquiçadas de geada com pés expostos, doloridos.
Me lembro de um preto sapatinho de verniz usado que herdei de minha tia: ficava lindo com meias brancas e rendinhas embabadas, disfarçando os pezinhos de pavão; e ficava também todo empoeirado naquela longa estrada até a rodovia onde pegávamos ônibus nos raros passeios.
Era para ser segredo esta conduta incivilizada, mas vai que eu morra amanhã e meus futuros netos nunca venham a saber que sua vovó era doidinha! Ao menos meu querido diário lhes revelará.
Nunca dantes expus esta mancha enegrecida em meu comportamento. E olha que eu uso meias todo santo dia, de início de abril a final de setembro, e boa parte dos dias desde início de outubro a final de março. Sempre fui apaixonada por elas, são as peças de vestuário que mais curto e reluto em descartá-las quando estão velhinhas e rustidas.

"Revortô"

Pontilhão ferroviario, sobre o rio Jaguari Mirim, atras do antigo CEAGESP
É, o tempo deu uma reviravolta, porém chover que é bom... à noite até caíram uns magros pingos, tão de longe, um cá e outro acolá.
O nosso sagrado rio Jaguari Mirim encontra-se preocupavelmente no nível mais baixo desde a muito tempo. 
O céu está recoberto por nuvens e a temperatura baixou, tivemos um  bocejante dia cinza, todavia previsões indicam alguma chuva apenas para a próxima semana.
Com esta secura instabilidade climática, as nêsperas lá da serra vingaram excepcionalmente: estão enormes como nunca vi. Deliciosamente azedinhas.
E assim o inverno segue em busca da primavera, contudo os dias ainda estão curtos. Faço a corrida com noite fechada (18 h 30) e com certa cisma ao passar na parte interna da pista.

13.8.14

Mentes Inquietas

Na semana passada, participei de uma palestra com a autora do livro. Uma psiquiatra hiperativa (TDA/ H) estudiosa do tema - reunindo teoria e prática.
Até alguns anos, aprendíamos que pessoas com Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade ou Distúrbio de Déficit de Atenção tinham a mente lenta, e com isto compensavam agindo agitadamente. Na prática em sala de aula, algo destoava... hoje se provou que a mente inquieta dos hiperativos pensa 5, 10 questões ao mesmo tempo e não consegue organizá-las devidamente. Daí o agito.
Quem não conhece uma pessoa agitada, elétrica, distraída, impulsiva, esquecida, desconcentrada? Muitos adultos não foram sequer diagnosticados até hoje, quanto menos tratados e medicados, se for o caso.
São pessoas extremamente sociáveis e afetivas, porém enfrentam problemas nos relacionamentos amoroso e sobretudo no trabalho, devido à desorganização temporal ou espacial e a certas compulsões. Um exemplo é a mulher estar constantemente estourando o orçamento familiar, devido à compulsão por compras, ou vice-versa.
No trabalho e em muitos outros projetos, costumam ser "fogo de palha"; são corredores de curta distância. Uma senhora hiperativa conhecida minha, sempre tão altruísta, marcou um passeio com os idosos. Na data, todos aguardavam-na e ao ônibus em frente à igreja. Nem uma, nem outro apareceu - ela simplesmente se esquecera do combinado. 
Muitos perdem o emprego e o casamento devido a esses deslizes típicos, embora seja uma delícia conviver com eles esporadicamente. Acidentes também são muito mais comuns com hiperativos, pois possuem menor noção de perigo e maior impulsividade - nunca dê uma moto a um hiperativo!
Algo interessante que a palestrante Ana Beatriz B. Silva salientou foi sobre o contraste hiperativo, TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Num relacionamento, essa dupla se atrai; depois o TOC tenta mudar o DDA e a relação desanda. No trabalho, a convivência TOC / DDA também é conflituosa, pois um é geralmente organizado demais e não se conforma com o "desleixo" do outro.
Um TOC sempre aponta o hiperativo como um caso de inclusão, mas nem sempre se considera igualmente "anormal". A autora salientou que não há mente perfeita. 
Eu mesma já desconfiava de meu apego ao tempo - sou uma TOC do tempo - não consigo atrasar horários, tarefas, não falto ao serviço, não quebro a rotina que esperam de mim. Chego ao trabalho 10 minutos antes da hora, acordo às 4 e meia da manhã inclusive em feriados.
Eu já fui pior: por duas vezes apenas cheguei atrasada ao trabalho (uma quando era solteira e outra quando entrava às 6 h 00), me lembro feito hoje da vergonha que passei!
Como o pobre é sempre seu próprio (e melhor) psicanalista, fui me conhecendo, me lapidando e fiquei mais maleável; todavia, com as tarefas de casa do curso, fico desesperada para terminá-las com um bom tempo de sobra. 
Nunca pago uma conta no dia do vencimento; nunca pego um livro emprestado sem prazo de devolução (que eu determino) e se o prazo espira, devolvo sem terminar; nunca chego atrasada a uma festa, mesmo sabendo que todos os outros convidados o farão.
Tenho mesmo Transtorno Obsessivo Compulsivo em relação ao tempo... Obsessão pelo tempo e Compulsão por comedimento, economia, equilíbrio nas finanças. Contudo não ligo para higiene e organização espacial - nesses quesitos sou normalíssima; meu senso estético e vaidade são medíocres.
Ah, não faz mal, tanta gente tem obsessões ou compulsões e não se conscientiza disso! Recomendo a leitura de "Mentes Inquietas" não só para hiperativos, mas sobretudo para Obsessivos,  Compulsivos e Pocessivos que ainda não se reconhecem como tal.

10.8.14

Urucum

Meu Par agora invocou de tomar 10 sementinhas de urucum todas as manhãs, em jejum com a água de canela, que já era rotina. No meio da tarde ele toma água com limão, e eu preparo-lhe tudinho. 
Alguém lhe ensinou a receita de urucum, dizendo ser para diminuir a taxa de triglicerídeos, e confesso que no início pensei ser mera simpatia. Ele é chegado numa simpatia, inclusive fez duas vezes para esporão, usando palma, aquele cacto.
Uma coisa é fazer simpatia externamente ao corpo, outra coisa é ingerir sementes. Claro que urucum com temperança não é veneno, contudo deve-se pesquisar estes corações cheios de carotenóides, sobretudo a bixina.
Encontrei na net muita coisa favorável ao assunto, e como ele insistia, consegui com um aluno que tem um pé no quintal. Dias depois, o amigo do Par trouxe outra sacola e um colaborador da oficina trouxe mais.
Conclusão: estou com uma coleção de sementinhas de urucum e ele já iniciou o "tratamento". Fato é que semente nenhuma faz efeito sozinha; se não diminuir a ingestão de pão líquido (cerveja) e não der uma volta de bicicleta toda madrugadinha, fica difícil.
Na infância, em meu quintal tinha um urucunzeiro, assim como em qualquer colônia de fazenda. Era o substituto da massa do extrato de tomate: se colocava na batata, no frango caipira, na macarronada, na mandioca ensopada. Para fazer o condimento, era só esfregar um bom punhado das sementinhas noutro punhado de fubá.
Até hoje sou adepta do coloral, colorífico aqui na cidade. O fubá faz com que o molhinho fique espesso e não há a acidez do molho de tomate (nem a solanina). Uso no frango, peixe, inhame e batatinha refogada. Hoje experimentei amassar o pão de abóbora com grãos, usando água de urucum e realçou mais a cor laranja..

Falta 1 nozinho - comi! Ofertei à vizinha, à noiva do fisioterapeuta do Par e à sogra do filho. Congelei três pães maiores. Usei abóbora cabotiá madura e com casca, liquidificada com linhaça. Acrescentei aveia, gergelim e girassol.
A fonte de ômega 3 da linhaça não é de boa qualidade como nos peixes, e a farinha pronta oxida, perdendo as propriedades. A semente inteira não libera os nutrientes... mas mesmo assim há benefícios do ácido linolênico!
A terceira doação de urucum. Esses coraçõezinhos não podem ser usados em chás, pois atacam fígado e pâncreas. Mesmo as sementes não podem ser usadas por tempo indeterminado, sem descanso. Meu Par tomará dois meses e repetirá exames. Baixou - parou. Depois é criar vergonha na cara e manter dieta saudável com exercícios.
 Sementes verdes e secas da safra anterior (são duas por ano).
 Coloral pronto - tempero suave e saudável.
 As folhas também em forma de coração. A raiz é emenagoga.
Parte da safra. As sementes mais frescas podem ser mastigadas, possuem sabor amadeirado menos marcante que a canela.

9.8.14

Ciúme

Sempre ouvi de quem tem mais de um filho, a questão do ciúme e das guerrinhas que o fato acarreta. São disputas pelo mesmo objeto ou local, pelo carinho dos pais, nas compras, nos presentes, pratos favoritos.
Lá em casa da mãe, meu irmão mais velho (falecido) tinha um certo ciúme do temporão, pois perdera o posto de caçula. Temporões sempre recebem tratamento diferente, visto que os pais estão mais maduros e maleáveis.
Aqui em casa não há irmãos e o filho resolve ter ciúme do próprio pai. Vez por outra diz que eu gosto mais do pai que dele, que cuido muuuuito melhor do pai... e não é que noutro dia a namorada confirmou a versão dele, dizendo observar que assim procedo?
Talvez despercebidamente eu cuide melhor do "velho", pela síndrome metabólica, pelo excesso de trabalho na oficina, pelo fato do meu "bebê" estar perto dos 30... não é um caso de exclusão, de rejeição, apenas de prioridades.
Quando fiz pós graduação na PUC, em 1998, uma das professoras deparou-se com crise de choro duma aluna ao abordar este tema. A moça disse ter um problema com a mãe. Qual foi a surpresa geral quando a Profe afirmou mais ou menos assim:
"_Você é absolutamente normal. Faz parte da construção da personalidade este jogo de apego e afastamento em relação aos pais. Descontentar-se com algo que os pais (ou um deles) fazem ou fizeram é sadio e  corriqueiro".
A própria professora disse que aos quinze anos foi posta na universidade longe de casa (era precoce) e se sentiu completamente abandonada por seus pais. Ele, militar, era rígido em demasia. Ela, a mãe, era submissa em demasia.
Esta aula foi uma das que mais me marcaram na PUC, e a partir daí fui analisando por outro ângulo a minha relação com  meus próprios pais e com meu filho; passei a analisar os comentários de amigas e atitudes de familiares. Até mesmo quando os pais são permissivos há queixa!
Geralmente apenas um dos pais é eleito "bode expiatório", porém há casos em que ambos vão à berlinda  e há casos mais evoluídos em que a pessoa não revela descontentamento algum.
De pais para filhos, obviamente quando há mais de um, também há favoritismos e reclamações, embora mais sutilmente (nas atitudes) e inadmissíveis no discurso "politicamente correto". Quem leu o livro "Éramos seis" nota bem o favoritismo do pai pela menina e da mãe pelo mais inteligente dos três garotos, embora totalmente velado. Até o favoritismo da empregada por uma das 4 crianças transparece.
Quando sabemos não se tratar de algo só nosso, pois existe nas melhores famílias, fica tão simples, tão leve... sem neura. Então, se você já reclamou de um dos pais ou um de seus filhos já se sentiu rejeitado, ou se você já sentiu  ciúme dum irmão, você também é normal!  
Imagemdaqui

6.8.14

Cubanas

Meus alunos estão apaixonados pelas doutoras que falam enrolado! As vizinhas também disseram que são pura simpatia e atenciosidade. Outra cultura. Muitas vezes um sorriso já trata metade dos sintomas do paciente, sobretudo em relação aos mais pobres.
Uma funcionária do setor de saúde me disse que está amando. Elas chegam ao trabalho no horário e saem depois do expediente; Os médicos daqui costumam cumprir 50 minutos e ganhar por 4 horas. Ela informou também não haver com as cubanas, aquela superioridade abismal médico/auxiliar de enfermagem.
No postinho de saúde aqui da esquina há algumas delas, inclusive duas estão morando na esquina de cima. Falam português, são humildes e profissionalíssimas. 
Hoje o meu Par passou com uma delas, no grupo rotineiro de hipertensos. Voltou deslumbrado com a diferença em relação aos outros médicos que sequer olham na cara do povo. Até guia de radiografia para dor no pé ela forneceu.
Ah, o abdome dele diminuiu em 6 cm... será que esta é daquelas médicas de tirar o fôlego? Espero que seja pela alimentação que forneço, porém, ela pegou no pé quanto ao triglicerídeo - não me pergunte em quanto está porque ele "alongou" o resultado do exame no fundo dalguma gaveta.
Não abro mão do plano de saúde por segurança, todavia as consultas são pagas. Sempre que possível, prefiro ser atendida aqui na comodidade da minha rua a me deslocar até o centro da cidade. Estar ao lado de vizinhos e conhecidos é bem reconfortante, inclusive a amizade com o pessoal de serviço (meus colegas de prefeitura). 
Estou doida para me consultar com uma cubana, entretanto meu ginecologista (público) é um fofo: faz valer meus impostos. Fiz por conta exames de glicose (86) , colesterol (207) e triglicérides (42). Apenas o colesterol está na zona limítrofe, visto que o desejável é até 200.
Inicia-se neste mês um curso de medicina aqui na cidade, com mensalidades em torno de R$ 6.000,00; o vestibular foi bem disputado. E por hora chega de espernear, inventar desculpas e criar bairrismos infantis. Prá  população local, os médicos estrangeiros chegaram para ficar.