13.9.15

Setembro "ajaneirado"

Não me lembro de um setembro com tantos dias consecutivos de chuva fina e gélida, tipo um janeirão. Todo início de setembro chove - e deve chover mesmo, para abrandar a torridez de agosto. 
Foram OITO dias nublados, com chuviscos ralos e algumas pancadas enfáticas. Mais a oeste do Estado (SP) houve destelhamentos e quedas de árvores na segunda-feira, dia 7, o que não é raro na primavera. 
Raro, raríssimo mesmo, é termos mais de três dias chuvosos consecutivamente. Oito dias, então... Seria este um dos efeitos do El Ninõ ?
Eu e o Par curtimos à beça o friozinho e chuvisqueiro constante! Fomos dormir muuuuito cedo toda a semana; ficamos enroladinhos em cobertas vendo TV - desaceleramos.
Durante o dia, logicamente tomei um pouco de chuva por causa da moto, entretanto nem ligo; quem tem moto sabe que faz parte do pacote.
Quando voltávamos de viagem, na segunda-feira por volta de 10h30, uma nuvem medonha se aproximava do Rio Pardo, conforme foto acima. Planejamos almoçar em Serrana, conhecer a cidade e ficar lá umas horas.
Pedi ao Par que se apressasse, pois temo tempestades na estrada. Chegando à cidadezinha, havia acabado a energia elétrica devido a um grande raio. O tempo já se abrandava e rodamos o centro - cedo para restaurantes e molhado para passeios a pé.
Paramos num posto de combustíveis com uma simpática marmitaria em anexo. Não dava para abastecer, pois não tinham gerador. O aroma da comida era delicioso, sobretudo com o chuvisqueiro geladinho nos envolvendo.
Tirei informações sobre o estabelecimento e disseram ser excelente. Não pensei duas vezes - comprei duas marmitas para viagem: Arroz, feijão, pimentão refogado, chuchu, bisteca suína com bife bovino acebolado.
Como a energia elétrica não voltava, seguimos viagem sem abastecer, pois o tanque não estava baixo. Paramos nesse belo local espraiado à beira da estrada e manjamos a nos fartar (a partir daí fazia-se meu jejum de 24 horas) - farofeiros assumidos!
Marmitas são práticas, saborosas, caseiras - um excelente custo x benefício, afinal alimentar-nos junto aos locais sempre foi meu mote nas viagens.
No domingo, havíamos almoçado num restaurante a quilo bem no centro de Batatais - escolhemos filé à parmegiana.
Apesar da chuvinha, peguei nesta árvore um punhado de resina - ela estava cheinha de calombos maleáveis. Rendeu uma boa aula com os dois primeiros anos, para aprofundar o conteúdo "Transformação de Materiais - papel". Falamos do âmbar  que aparece no filme "Jurassic Park".