30.10.15

Hiperpalatabilidade


A hiperpalatabilidade é uma armadilha criminosa envolvendo adição de saborizantes artificiais a produtos alimentícios industrializados.
Nos excitam numa intensidade de sabores muito além daquela presente na comida natural.
Pesquisas científicas milionárias financiadas pela indústria, buscam certas características em nosso paladar para potencializar sabores mais aceitáveis e inibir outros.
Essa química leva-nos a comer muito além da fome. A epidemia mundial de obesidade começa aí.
O consumo cotidiano de industrializados estraga nossas papilas gustativas e alimentos naturais "ficam" sem gosto. O estrago é muito maior em crianças, com possível dependência.
Na infância, eu tinha um paladar limpo, rural. Certa vez, meu pai trouxe iogurte, eu e meu irmãozinho detestamos! O mesmo aconteceu quando experimentei azeitonas em conserva.
Levando ao oposto, para quem precisa emagrecer (muito), estudos apontam que o ideal é diminuir os temperos dos pratos; alimentos mais insossos induzem à saciedade mais rapidamente. Faz sentido, pois não massageia-se tanto o centro do prazer localizado no cérebro.
Daí o conceito trigger food para determinados produtos irresistíveis, insaciantes, que certas pessoas não podem nem passar perto - e  devem evitar mesmo! Descarregar a compulsão ou ansiedade fome emocional no alimento trará no mínimo ganho de peso.
Muitas pessoas deixam de experimentar novos alimentos ou simplesmente colocam um "não gosto", sem atinar que estão sendo arrastados por uma avalanche quase sobrenatural e perversa da indústria alimentícia. Quanto mais industrializados comemos, mais queremos - obsessivamente!
O excesso de açúcar, sal e gordura, tudo misturado nas dosagens milimetricamente perfeitas, aliados a esses hipersaborizantes, causam o estrago perfeito, pois o cérebro malandrinho quer recompensa. 
Ah, contudo podemos recompensá-lo de outra forma: com a saúde, emagrecimento, longevidade. Essas estratégias também agradam a um cérebro inteligente!
Numa análise evolutiva, sabores  doces causam no cérebro a ideia de fonte de energia; o salgado indica teor de minerais essenciais, eletrólitos; o amargo alerta para algo venenoso; acidez muito forte alerta para comida estragada, azeda.
Cozinhar em casa, sem caldinhos prontos, usando ervas e especiarias, é o caminho para "desintoxicar" desse ciclo vicioso. Uma guloseima ocasional seria aceitável apenas após um farta refeição saudável.