12.11.15

Carne com hormônios? A gente sabe o que está falando?

Resultado de imagem para S.I.F. vigilancia sanitaria
Por vezes, fazemos uma ecolalia sobre temas aos quais não temos conhecimento real e passamos a ideia para outrem, sem nos ater ao seu cerne.
O PNCRC  é o Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes, do Ministério da Agricultura. Diz respeito, dentre outros temas, aos hormônios nas carnes do Brasil.
Pelo que pesquisei, hormônios prejudiciais custam muito caro, não são tão produtivos e terminantemente proibidos.
Sabemos que nossa carne possui selo de exportação, sendo enviada para mercados muito exigentes - os melhores do mundo -  e considerada de alta qualidade lá fora.
O Brasil não venderia produtos que não passam no rigoroso controle de qualidade estrangeiro e também do órgão acima. 
Bovinos, suínos, frango, leite, ovos, pescados, mel e carnes alternativas como caprinos, são esmiuçados à procura de hormônios e antibióticos proibidos.
É óbvio que uma coisinha ou outra acaba passando, mesmo porque os fiscais são humanos, a lei sempre deixa brecha e o território grandioso. 
Entretanto, não devemos generalizar e depreciar o patrimônio do país. Um ponto positivo é que nosso gado é criado a pasto, comendo capim tropical.
Inclusive, a indústria lamenta o fato "arcaico" de ainda termos gado a pasto no Brasil. Geralmente o boi só vai a confinamento nos meses antes do abate para a engordada final.
Temos pasto demais, grandes fazendas, baixa densidade demográfica, não compensa investir em confinamento ainda bem.
Imagem Google.