1.11.15

Com ou sem glúten?





E ai? De que lado você está? Ou apenas observa atentamente trepado no muro? Meu "cerebrinho" de pedagoga ama esse "vai e vem"!
Sou avessa a qualquer monopólio, como já escrevi aqui. Com a farinha branca não é diferente. E farinha integral geralmente é a mesma branca acrescida de fibra de trigo, algo assim. Maquiagem de palhaço.
Não sendo intolerante, celíaco, sensível ou alérgico de alguma forma, acho desnecessário e difícil abolir 100 % o glúten da dieta. Trigo deve ser apenas um dos amidos e não o amido absoluto.
Por outro lado, o espectro de transtornos relacionados ao glúten é vasto: intolerante, celíaco, sensível, alérgico, totalizando cerca de 6% da população.
E como saber? Muitos diagnósticos são mal feitos, quando feitos... Toda a polêmica faz com que pessoas com transtornos se beneficiem com uma grande variedade de opções sem glúten.
O livro Barriga de Trigo prega quase como verdade científica apenas estudos praticamente empíricos. Ainda não há estudo randomizado em quantia suficiente para nos garantir que glúten faz mal à maioria.
Pela plausibilidade, vale observar as próprias idiossincrasias corporais na presença e ausência da proteína. Eu percebo em duas horas a ocorrência de flatulências devido à lactose, que foi se instalando aos poucos, conforme a idade avançou. Será que certos transtornos relacionados ao glúten também chegam sorrateiros?
Observando até mesmo as fezes, decida ou não pelo corte total, afinal não há "risco de morte" em deixar o glúten (princípio da Via Negativa, de Nassim Taleb)...
Conquanto, essa maluca dieta moderna de confort foods (que geram dependência emocional): pão com bolacha com macarrão com pizza com salgadinhos com bolo com pudim com empanados com nhoque com molho branco... Tudo numa semana só...
Creio ser necessário a temperança, mesmo sem restrições médicas a carbos. 
Pão caseiro de cenoura leva menos farinha; tire o macarrão da sopa; há na Net receitas de bolo com "biomassa" de casca de banana; faça pizza com "massa" de carne moída ou omelete; troque as sobremesas massudas por frutas; o pão pela mandioca cozida e tapioca, e por aí vai...
O livro "A Mentira sobre o Glúten" parece ter uma visão de alto nível, porém mesclada à religiosidade (sua área) sobre o tema. O autor também não vê provas contundentes contra gordura ou sal na dieta nem açúcar
E aguardemos estudos mais consistentes para o futuro. Enquanto isso, suba no muro e dê um esbrangente rasante. 
Vale correr atrás dos dois livros (com pensamentos diferentes quanto às provas), ou sobre a visão dos dois autores, para não termos como verdades dogmas ainda dispersos.
* O glúten é um antinutriente / antimetabólito. Serve para proteger a planta (o pé de trigo) do ataque de predadores. Por isso pode fazer mal em excesso.
Imagens: Dr. William Davis, autor de "Barriga de Trigo" e Dr. Alan Levinovitz, autor de "A mentira sobre o Glúten" (retiradas do Google).