13.12.15

Hidrocolonterapia e Disbiose

Resultado de imagem para imagem intestino
Hidroterapia do cólon é uma higienização mecânica realizada por profissionais de saúde. É praticada a milênios e remove fezes duras (placas mucoides) que passam até meses grudadas nas paredes intestinais, melhorando a permeabilidade da mucosa.
A colonoscopia, um exame cada vez mais corriqueiro, e cirurgias intestinais, geralmente requerem esta técnica de higienização.
Os enemas, enteroclismas ou clister são técnicas de introdução de água morna através do ânus para fins de lavagem intestinal e purgação. Alguns profissionais sugerem seringa auricular para este fim.
Se realizado de forma caseira e cotidiana, em determinados casos o enema pode vir a causar prisão de ventre e até mesmo "viciar" a musculatura esfincteriana, levando à dependência desta prática para evacuação. 
O acúmulo de líquido nas dobraduras do cólon pode gerar inflamação e outras complicações, como a piora de hemorroidas. A não esterilização do enema e má qualidade da água podem levar a introdução de micro-organismos nocivos no organismo.
Quem evacua ao menos 5 vezes semanais, evita alimentos industrializados, ingerindo fibras e gorduras suficientes para expelir fezes sadias possui intestino que consegue limpar-se e eliminar toxinas sozinho.
O intestino saudável funciona quando o bolo alimentar passa por ele. Ao esvaziar, repousa sem nenhum conteúdo em seu interior. Por essa razão, os doze metros de tripas cabem na cavidade abdominal.
Educar os intestinos para que evacuem todo dia à mesma hora, ingerir alimentos pró e pré bióticos regularmente, manter hábito dietético natural, tomar magnésio em pequenas doses (laxante natural) e hidratar-se bastante, ajuda a manter a saúde intestinal.
Pessoas acometidas por prisão de ventre, gases constantes, cólicas, diarreias inexplicáveis ou um mal estar geral podem se beneficiar da limpeza intestinal bimestral. Um intestino deficitário evacua por transbordamento, deixando sempre um volume de fezes armazenadas. Um teste  simples é comer uma beterraba e aguardar sua excreção - 18 horas é o máximo esperado.
Atualmente, a microbiota intestinal é considerada um órgão virtual, pois esses micro-organismos são responsáveis por cerca de 80% de nossa imunidade. Alimentos pró é pré bióticos são cada vez mais anexados à dieta.
A disbiose é um desequilíbrio nesta flora, devido às intolerâncias e alergias alimentares, prisão de ventre ou diarreia recorrente, excesso de álcool ou açúcares, antibióticos e químicas artificiais presentes em todo o processo de produção dos alimentos.
As bactérias más adquirem mais resistência e vão prevalecendo sobre as boas, reduzindo a capacidade de absorver nutrientes, causando carência vitamínica. 
A hidrocolonterapia, assim como o cultivo da flora intestinal benigna são etapas importantes do tratamento para a disbiose.
Muitas doenças crônicas podem ser melhoradas e até curadas com mudanças alimentares e cultivo de uma flora intestinal saudável (nossos bichinhos de estimação).
Este texto mostra um estudo em que os adoçantes, sobretudo à base de sacarina, destroem a microbiota e levam à resistência insulínica. Imagene diabéticos se entupindo desse veneno!