29.12.15

Retorno da rota do ouro

Espero que todos tenham tido um natal tranquilo e transcendente, sem excessos para combinar com o perfil do Aniversariante.
Cheguei da amada Minas Gerais, cheia de fotos e lindas histórias; morrendo de saudade de vocês. Passei dias divinais, ilhada bem longe da Net ou TV, apenas mandando mensagens de OK ao filho - eu e o Par.
A net está péssima desde antes da viagem, talvez eu demore todo o janeiro para postar as fotos.
Sempre viajo no natal porque o fluxo nas estradas é leve - os estudantes e trabalhadores viajantes já pararam e os turistas ainda não se espalharam. Também chove menos que janeiro.
As estradas mineiras, de 5 anos prá cá, estão maravilhosas. Não lembram em nada aquela buraqueira muito pior que estrada em terra batida. 
Várias vezes escolhíamos trafegar fora das vias "pavimentadas", pois o risco e os solavancos das crateras era menor na terra batida.
Chegamos próximo a BH e tivemos apenas 2 pedágios: Um a 12 km daqui, ainda em SP (3,60) e outro na Dutra (1,80). Cerca de 1.400 km por 10,80 de pedágio. Hoje meu Par rodou em SP 1/4 desta distância por 57,20.
No passeio de setembro, apenas num percurso de 10 km de Batatais a Brodowski (SP), pagamos 8, 40. totalizando 16,80 ida e volta - quase um estelionato.
Levei bastante água (que ia repondo de pousada em pousada) e alimentos low carb: azeitonas, salame, queijo curado,  pele suína pururuca, ovos cozidos, coco seco, atum e feijoada enlatados, amendoim cru, chocolate 70%, maçãs e mexericas morgote.
Há que se estar prevenido em viagens tão longas (700 km), pois um engarrafamento pode nos prender na estrada por horas e as cidades mineiras são longe umas das outras. 
O trânsito esteve ótimo, então aproveitamos parte das provisões para fazer piqueniques em locais fofos. Pegávamos nossa caixa térmica e montávamos um lanche romântico com excelente custo-benefício.
Quase lá, presenciamos um acidente estúpido: Na via contrária, sobre uma longa ponte, o trânsito estava lento. Do nada, um carrinho de passeio encheu a traseira de uma caminhonete, que voou ao carro da frente - três estragos. 
Era pouco antes do almoço, visibilidade excelente. Será que ele estava ao celular? O engarrafamento foi se formando enquanto avançávamos no sol escaldante dalguma área rural.
Na foto, nossa última pousada, já na volta para casa. Nosso apartamento é o quarto, da esquerda para a direita. Foi a mais em conta do percurso, com café muito básico (60,00 casal).
A cidade é Itutinga, da qual eu não tinha conhecimento até ver um meteorito doado por ela neste museu, na viagem.
Um sossego. Passeamos à noite, circundamos um lajeado de pedras enorme e lindo, vimos carneirinhos em terreno baldio, plantações de mandiocas e pés de urucum nos quintais.
Em 2016 vamos conhecer a região rural de Carrancas, já nos planos a tempos. Ficaremos ali, pois são cidades vizinhas e esta não é turística.