24.1.16

Fim da historinha

Para encerrar, foto do nosso quartinho do século XVIII em Ouro Preto - sacada com deslumbrante vista ao fundo. Paredes de 80 cm e soalho antigo de madeira - range e balança (parece que vai ruir). A pousada tem duas imensas suítes e quatro apartamentos.
O sanitário é pequeno. A porta dupla toda trabalhada, o arco do portal e os gradis de madeira da sacada são arte pura. 
Pudemos adentrar os apartamentos vazios e suítes da frente. Tudo antigo, simples e muito limpo. A vista é sempre espetacular, pois ficamos na Praça Tiradentes, num platô.
Casa da ópera, a um quarteirão de distância. Bem espraiada ao lado da Igreja do Carmo. Em restauro.
Igreja do Carmo, 100 metros da pousada. Muito ouro, azulejos decoram a lateral do altar mór. R$ 3,00 para entrar, incluindo o museu anexo.
Cemitério lateral. Nos artísticos portões, ossos que foram anteriormente sepultados no piso da igreja. Atrás da grade, cemitério convencional em uso.
 Vista da cidade pela janela do museu sacro, no piso superior da igreja.  Por onde se olha, há sempre um morro com natureza e uma igreja.
 No corredor lateral, escadinha apertada que leva à sala do sacrário, à esquerda. Transcendência.
 Pintura de teto na sala de reuniões, onde funciona o museu sacro (sobre o altar).
Detalhe do lavatório em pedra-sabão, folheado a ouro. Lindos retratos originais da família real portuguesa. Bancos em madeira de lei maciça, entalhes delicados.
Museu da mineralogia, na esquina da pousada. Requer ao menos duas horas (e estudos prévios). São muitas salas temáticas, não só de mineralogia. Excelente custo x benefício.
Foi o local onde havia mais gente falando enrolado estrangeiros. Os jovens do Brasil eram raros na cidade, apenas alguns mochileiros.
Essa escadaria leva a uma ala da escola de mineralogia. As rochas abaixo são minérios especiais.

 O jardim frontal. Lá dentro não se fotografa.
Uma passadinha da Igreja Mercês de baixo. Fechada para restauro. Aí fica o museu Aleijadinho e seu túmulo. A pintura externa já foi refeita e realça de longe.
Há muito dinheiro público nessas restaurações, conforme consta das placas expostas.
As adoradas escadarias originais.
 O amanhecer da pousada. Igrejas e mais igrejas. A lua ainda acesa se esgueirando entre nuvens.
 A matriz do Carmo, pertinho. Onde mostrei o museu sacro (acima).
A pousadinha histórica - últimas três janelas lá abaixo. Uma suíte acima e outra abaixo. Nosso quartinho dava para os fundos.
Na esquina de baixo, o museu da Inconfidência e igreja do Carmo. Na esquina de cima, o museu de mineralogia. 
Essa esquina acima é particularmente caótica. Em Ouro Preto não existe rua preferencial ou sinal de PARE. Todos se enfiam como dá, vão acenando e embocando.
Um desce, outro passa reto, outro sobe. Na mão contrária é igual - todos seguem em todas as direções.
Todo o passeio foi espetacular em custo x benefício. A comida de Minas é deliciosa, saudável e barata. Um restaurante com almoço self service à vontade sai entre R$ 10,00 e R$ 15,00, com enorme variedade de pratos.
As branquinhas moças estrangeiras viam toda aquela comida por um só preço, repetiam 4 vezes (nós também). Tudo é feito em lindas panelas de pedra-sabão.
As pousadas também são mais baratas que aqui em SP. Não usamos guias, pois estudei previamente. Muitos passeios ficaram para a próxima, é atração demais...

8 comentários:

  1. ~~~
    Foi um belo passeio, Cristina! Parabéns.

    Uma semana saudável, agradável e feliz.

    ~~~ Abraço amigo. ~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gasparzinho!
      Agora devo aguardar o meio do ano... recesso de inverno.
      Talvez faça um percurso mais curto, talvez fique pelas proximidades.
      Que seu final de semana seja cheio de ternurinhas!

      Beijão Brasil procê

      Excluir
  2. Ola

    Ouro preto ja ouvi falar. é muito conhecida pela sua historia. Para um português como eu deve ser ainda mais interessante.
    Achei cómico e surpreendente o trânsito nessa cidade. Pela forma como descreveu deve ser uma enorme confusão. Pra mim nao dava!

    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bruno!
      A cidade foi fundada por seus conterrâneos; dizem ser parecida às aldeias de Portugal. É um lado brasileiro que não sobressai muito lá fora.
      Visitar o Brasil e não se embrenhar por Minas Gerais...
      O trânsito me lembrou o que dizem sobre a Índia. Ruelas estreitas, curvas, ribanceiras, estacionamentos proibidos, todo mundo se enfiando como dá... O jeito é marchar mesmo! Haja canela.

      abração de cá

      Excluir
  3. Um lindo passeio!!!
    Gostei imenso de ver as fotografias.
    Obrigada.
    : )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Catarina!
      O Brasil tem diversos "brasis" como dizemos aqui. Cada estado tem suas peculiaridades, porém Minas é minha paixão!

      Excluir
  4. ~~~
    Penso que o meu comentário não 'entrou'...

    Voltei a comentar no Google + ...

    ~~~ Beijos. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe, Majo, demorei a cuidar dos comentários... Estou na reta final com as férias, passeando, colocando tudo em ordem.
      Adoro você, fantasminha!

      Excluir

Desativado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.