22.1.16

Uma igreja na caverna

Ainda em Pereira, subimos ao morro da lapa para conhecer a igreja da caverna. Quando a outra queimou, os fiéis se instalaram na gruta.
A vista do povoado lá embaixo e das montanhas rupestres, todas pertencentes às mineradoras.
À direita, uma represa de rejeitos de mineração entre os morros, menor que aquela estourada, bem mais à direita dali. Uma imensa mineradora fica logo adiante.
Um minerador veio de moto nos oferecer pedras preciosas belíssimas. Não comprei, claro! Porém, demos uma gorjeta e ele nos mostrou a gruta.
A senhora que cuida acabava de sair p/ almoço e fica duas horas e meia em casa. Sem chance de esperar. O mineiro nos levou por essa trilha que circunda o muro (jamais encontraria sozinha).
Fomos parar nesse cantinho à direita.
Já no recinto, meu Par e o Minerador admirando o templo encravado na montanha de pedras. 
A capelinha e seu altar; à direita fica o elevado do coral. O teto bruto impressiona.
Para acessar a caverna, passa-se à esquerda do altar. É imensa, a perder de vista.  
Não fomos porque o portão de entrada estava trancado.
Par e Mineiro admirando tudo ali do adro. O pátio é bem cuidado.
O sino bem lá no alto! Toda manhã de domingo clama por fiéis para adentrarem a montanha.
Não hesitei e bati o sino algumas vezes...
Uma capela lateral, espaço interno (cozinha?) com sanitários nos porões.
Ainda o Minerador dando aulas a meu Par.
Em agosto, este deserto vira um formigueiro humano, na festa de Assunção de Nossa Senhora ( que subiu ao céu amparada por anjos em 15 de agosto).
Na festa, a Santa é levada em cortejo a pé, até outra igreja mais nova, no centro.
Portão de frente trancado, vamos contornar pela trilha novamente.