28.2.16

Alfabetizadora

Resultado de imagem para alfabeto fônico
Nenhum trabalho é fácil, nem o meu (senão seria lazer). Acontece que com o tempo, dedicação aos estudos e com vontade, a gente se especializa. 
Estou aqui dando um fôlego em meio a tanta papelada para preencher, analisar, ponderar. Na reunião de amanhã à noite temos que entregar o perfil do grupo - o que cada aluno já sabe nos principais conteúdos.
Estou com 9 crianças muito defasadas (que não sabem grafar  A - O para "gato"); 5 percebem que "gato" contém duas partes (sílabas) e grafam apenas vogais ou letras do nome ; 2 que já usam algumas letras corretas na palavra "gato" (H-O ou G-O ou A-T); 8 que não leem, porém já escrevem "gato" quase corretamente; 1 que já escreve palavras com sílabas simples e lê pequenas frases.
Para os 9 primeiros, diz-se "pré-silábicos", pois não percebem oralmente as sílabas ainda.
Para os 5 que já percebem, diz-se "silábico quantitativo", pois fazem a quantia de letras uma para cada sílaba, porém sem qualidade (qualquer letra).
Para os 2 que já acertam algumas letras, mesmo que referentes às sílabas, diz-se "silábicos qualitativos".
Para os 8 que apenas em algumas sílabas "comem" letras, diz-se "silábico-alfabético"; e para 1 que escreve corretamente - alfabético.
Quando escreverem palavras com sílabas complexas corretamente (cachorro, hospital) serão ortográficos, entretanto a fase alfabética é nossa meta principal.
Tomando "GATO" como exemplo, tem-se alguns exemplos de cada fase:
PS: pré-silábico - MAOPTU  (letras aleatórias e do próprio nome);
SQT: silábico quantitativo -  AV ou DO (quaisquer duas letras - às vezes acrescentam mais algumas para "inteirar");
SQL: silábico qualitativo - G-O ou A-T ou H-T (quando usam apenas vogais, estão bem incipientes). costumam ler com convicção, apontando o dedinho;
SA: silábico-alfabético - GAT ou ATO. Alguns mais avançados, já percebem que está "um pouco diferente";
A: alfabético- GATO - É a criança que nas palavras mais difíceis, começa a perguntar se é com x ou s, se falta uma letra. 
Aquela classe tão boa dos primeiros dias foi se ampliando... E quem fica por último são os filhos de famílias mais desleixadas sem rotina.
Minha meta é diferente para cada um dos 5 grupos, e tenho que oferecer desafios à altura. Daí a importância das duplas produtivas, onde um não pode estar tão adiante do outro.
Eu só detesto aquela história de "melhor professor", "funcionário do ano"... Para mim, isso nunca colou. Já recusei na "cara dura". A continuidade da turma nos anos seguintes fala por si só; pantominas não combinam comigo.

Ufa! Com essa chuvinha gostosa, acho que vou almoçar uma sopa de letrinhas!