5.3.16

Faleceu porque jejuava?

Quem nunca praticou jejum intermitente ignora totalmente o processo natural e fascinante da cetoadaptação.
A imprensa noticiou que o neto de Chico Anísio faleceu por ter hábitos de jejum, então deveria estar fraco para enfrentar o mar bravio.
Como a própria mãe diz - um anjo apenas. Ele não cometeu o "crime" de praticar jejum regularmente. Afogar-se em mar bravio nada tem a ver com jejum. Há outras causas possíveis.
A humanidade seria extinta sem essa poderosa ferramenta: secas prolongadas; inundações constantes; invernos rigorosos. Basta ler este livro.
Só praticantes compreendem a transcendência desse ato. A maior oração em respeito ao nosso alimento diário é a prática de jejuns.
Uma terapia poderosíssima, tanto para o descanso e desintoxicação corporal, como na ampliação da conexão com a própria alma.