26.8.16

Lower Carb

Resultado de imagem para imagem banca de feira
A alimentação "Lower Carb" é bem parecida com a "Slow Carb", embora não sejam gêmeas.
O que as diferem da tradicional "Low Carb, é que ambas preconizam um médio teor de carboidratos.
A "Slow Carb" é cria do americano Timothy Ferriss e encontra-se detalhada no livro "Quatro horas para o corpo". Ela tem um foco bem forte nas leguminosas - amendoim, fava, todos os modelos de feijões, grão de bico, ervilha, lentilha (que devem ser demolhadas por 16 horas em água com vinagre antes de cozer).
A alimentação "Lower Carb" amplia um pouco mais este leque, aceitando um médio teor de todos os carboidratos naturais de lenta absorção (complexos): muitas frutas, milho cozido e tubérculos.
Numa alimentação diária focada na carbo-ciclagem, a junção destas duas vertentes é perfeita para o jantar.
No desjejum tem-se uma dieta cetogênica (ou "Very Low Carb); alimentação "Low Carb" comum ao almoço; empurrando os carboidratos para a última refeição. Assim, a regulação hormonal, o trânsito intestinal e o período de sono não ficam prejudicados. 
Importante frisar que seja ela Lower ou Slow, essa forma de alimentação ainda é bem mais restrita em carboidratos que a dieta ocidental padrão (pirâmide alimentar). Continuam restritos todos os farináceos (as massas em geral), arroz, batata inglesa e açúcares (permite-se o mel de vez em quando).
Simplificando: é sempre a ingesta de comida de verdade, com ingredientes o mais naturais possível, focada majoritariamente em vegetais de baixo amido, proteínas e gorduras de bichos criados soltos.