23.8.16

Você já acordou com a ruim sensação de queda livre?

Acordamos assustados, com sesnsação de abandono, pequenez, aquele "cocô de mosquito" no meio do grandioso universo...
Essa sensação estranha de queda livre que nos acomete em sono profundo vez ou outra tem as mais diversas explicações.
Na roça, diziam que a alma sai do corpo durante o sono e vaga absorta; ao retornar, de vez em quando ela capota, volta de mal jeito!
Muita gente relata maior prevalência da ocorrência em alcoolismo, sonos agitados ou fora de hora, cochilos em locais agitados...
O nome científico é espasmo hípnico ou “puxão mioclônico”. É uma contração involuntária dos músculos que nos desperta violentamente.
Teorias são muitas e apostam que há um certo conflito na comunicação entre corpo e cérebro ao "desligar" para dormir. O misticismo diz que a pessoa está numa fase vulnerável, ansiosa, desprotegida.
Pelo método junguiano, pode haver medo da desejada liberdade ou do fracasso embutido no sucesso - insegurança de crescer em qualquer aspecto.
Uma teoria que acho bastante plausível e interessante é que o "homem das cavernas", nosso ancestral, não tinha caverna à vontade e dormia sobre as árvores. Então, temos esta herança evolutiva impregnada em nosso DNA.
Dormindo em árvores, o relaxamento dos músculos podia significar uma queda real lá do alto; esse toque "fique esperto" é uma salvaguarda. 
Daí também a necessidade de uma boa siesta (soninho após o almoço). Era quando o homem primitivo dormia tranquilamente à sombra e no chão, por turnos, com vigias à espreita de predadores.