20.9.16

Ácido margárico

Resultado de imagem para vacas pastando cachoeira
Já temos estudos confirmando que os níveis mais elevados das gorduras saturadas chamadas "ácido margárico" - aquela encontrada em produtos lácteos integrais, estão associados a um menor risco de doença cardíaca.
Fuja dos leites e derivados desnatados, cheios de açúcares. Aquele leite dito erroneamente "sem lactose", que na verdade apenas foi acrescido da enzima lactase, é naturalmente mais açucarado que o integral, pois a tal lactose já foi quebrado por essa enzima chamada lactase. 
As pessoas ainda não sabem "ver" os farináceos refinados e açúcares em geral, como as verdadeiras gorduras deletérias, triglicerídeos que levarão ao acúmulo de gorduraabdominal (externa e mole) e visceral (interna e dura). Essa última é ainda pior, e leva ao abdome globoso.
Sabemos que o leite bovino é alergênico e deve ser consumido com parcimônia, sendo evitado o leite UHT (de caixinha) e leite em pó, além do desnatado. 
Aquele "de saquinho" serve na falta do in natura (solto, vendido direto do produtor). Vacas criadas a pasto, comendo capim (em vez de ração) e produzindo leite sem indução por hormônios são favoritas.
Melhor ainda é consumi-lo "kefirrado" em casa, por colônias de bacilos (probióticos) chamadas "kefir". Os kefirrans irão melhorar o plantel de nossa microbiota intestinal.
O queijo cru branco curado ou meia cura é melhor que o fresco, justamente pelo maior tempo de fermentação, que minimiza a quantidade de lactose (os micro-organismos comem-na).
Devemos evitar laticíneos industrializados ultraprocessados devido ao excesso de químicos artificiais, adição de amido, açúcar. Ah, trocar margarina por manteiga é ideal.
O leite de cabra e de búfala são excelentes opções ao bovino, para privilegiados que tenham acesso a eles e seus derivados. E gorduras ingeridas juntamente com açúcar, mesmo que "ácido margárico", não são boa escolha.
Veja este link sobre os queijos gordos.