21.9.16

Último friozinho

Resultado de imagem para imagem friozinho
Último dia de inverno fechado deliciosamente com chave de ouro.
Após a pancada de anteontem, o tempo foi refrescando, a chuva rodeando, caindo lá na Mantiqueira...
Hoje amanheceu geladinho após uma noite sonolenta embaixo de coberta. Fiquei a manhã toda de casaco, devido ao ventinho e temperatura pouco acima dos 10 graus.
O céu está completamente azul, sem nenhum algodãozinho voando... Isso significa que logo o calorão voltará, e desta vez para ficar.
Com o sol nascendo antes das 6h00, em breve teremos o cansativo horário de verão. Ficará difícil dormir cedo... e acordar às 5h00 é imperativo. Acostuma-se, faz parte da estação.
Fiz sopa de legumes com frango, manjericão e biomassa de casca de maracujá, então será uma noite deliciosa de sono pesado na certa!

Imagem Net

20.9.16

Ácido margárico

Resultado de imagem para vacas pastando cachoeira
Já temos estudos confirmando que os níveis mais elevados das gorduras saturadas chamadas "ácido margárico" - aquela encontrada em produtos lácteos integrais, estão associados a um menor risco de doença cardíaca.
Fuja dos leites e derivados desnatados, cheios de açúcares. Aquele leite dito erroneamente "sem lactose", que na verdade apenas foi acrescido da enzima lactase, é naturalmente mais açucarado que o integral, pois a tal lactose já foi quebrado por essa enzima chamada lactase. 
As pessoas ainda não sabem "ver" os farináceos refinados e açúcares em geral, como as verdadeiras gorduras deletérias, triglicerídeos que levarão ao acúmulo de gorduraabdominal (externa e mole) e visceral (interna e dura). Essa última é ainda pior, e leva ao abdome globoso.
Sabemos que o leite bovino é alergênico e deve ser consumido com parcimônia, sendo evitado o leite UHT (de caixinha) e leite em pó, além do desnatado. 
Aquele "de saquinho" serve na falta do in natura (solto, vendido direto do produtor). Vacas criadas a pasto, comendo capim (em vez de ração) e produzindo leite sem indução por hormônios são favoritas.
Melhor ainda é consumi-lo "kefirrado" em casa, por colônias de bacilos (probióticos) chamadas "kefir". Os kefirrans irão melhorar o plantel de nossa microbiota intestinal.
O queijo cru branco curado ou meia cura é melhor que o fresco, justamente pelo maior tempo de fermentação, que minimiza a quantidade de lactose (os micro-organismos comem-na).
Devemos evitar laticíneos industrializados ultraprocessados devido ao excesso de químicos artificiais, adição de amido, açúcar. Ah, trocar margarina por manteiga é ideal.
O leite de cabra e de búfala são excelentes opções ao bovino, para privilegiados que tenham acesso a eles e seus derivados. E gorduras ingeridas juntamente com açúcar, mesmo que "ácido margárico", não são boa escolha.
Veja este link sobre os queijos gordos.

19.9.16

Primeiro pancadão

Resultado de imagem para imagem chuva flores
Após o tradicional inverno seco, com alguns "espirros de chuva" desde aquela gostosa invernada de 10 dias na virada maio/junho, eis que chegou.
A pancada durou nem 10 minutos, e com direito a algum granizo. Sua enxurrada trouxe um sem-fim de sujeira por essa rua ladeirenta.
Agora, só o frescor da brisa leve e um sereninho tímido a brincar. 
Ah, senti vontade de faltar à reunião pedagógica na Escola, porém a vontade há de passar e a bici estará a postos para cumprir com a missão.
Na semana passada, ganhamos a noite (reunião suspensa), pois havíamos trabalhado muito na festa da Escola, que ocorreu na noite do dia nove.
Nem por isso. Na terça fui a um clube da Cidade participar do treinamento para "1º mesário" - mais uma eleição que se aproxima e o trabalho "voluntário" se faz necessário.
O estuda da apostila em casa é o mais eficiente, pois no grupão apenas orientações básicas são reforçadas. O pessoal do dia anterior usou as baterias das urnas e não houve recarga... Mas ganhamos um chocolatinho!
Verba racionadíssima, mandaram os trabalhadores levarem lanches e água no dia da eleição. A contribuição financeira para almoço sairá na sexta-feira após a pleito, sem reajuste. O desconforto é retirá-la nos Correios...

Após um calmo inverno com batizados, almoços familiares, sossego doméstico e pouca novidade, eis que já chegou o calor do verão, porque primavera exuberante em flores, é estação que temos o ano inteiro.
Ah, aos poucos passei a correr descalça na grama da pista aqui da esquina, fazendo a terapia do "aterramento". São 3 vezes semanais de 3,5 km.
O aterramento libera as anergias eletromagnéticas que nos intoxicam, nos fornecem íons negativos benéficos e cepas de bactérias para renovar o plantel da microbiota intestina (é probiótico).
E também estou assídua em pula-corda: bato "foguinho" na escola ao chegar de manhã, ao recreio e antes de voltar para casa. Tenho outra corda aqui na oficina e mais outra em casa, que "Fiotão usa e abusa".

12.9.16

Bariátrica ou Low-Carb?

A banalização da cirurgia bariátrica (e procedimentos similares) poderia ser evitada na maioria dos casos, apenas com redução de farináceos, açúcares e outros alimentos industrializados ultraprocessados (comida de pacotinho). 
Voltar às raízes e comer comida caseira, com ingredientes naturais e sua gordura saciante.
Então, por que não se tenta primeiramente a Low Carb? Por que gastar uma grana e correr sérios riscos (inclusive com sequelas) por uma cirurgia que em 5 anos pode perder-se (e a pessoa engordar novamente)? Por que tanto sofrimento com diabetes tipo 2?
É o tema da reportagem recente do jornal New York Times. Veja-a na íntegra (ou use o tradutor), pois há links incríveis!
A reportagem aponta os alarmantes números de sobrepeso e diabetes, mostrando que as "soluções" oficiais não surtem efeito. 
"É um absurdo que estejamos prescrevendo essas técnicas aos nossos pacientes, enquanto as orientações médicas não incluem outro método muito melhor, mais seguro e muito mais barato: uma dieta baixa em carboidratos". Afirma a reportagem!
A segurança e a eficácia da alimentação low-carb foram comprovadas em mais de 40 ensaios clínicos com milhares de indivíduos, aponta o texto.
COMA MENOS GLICOSE (carboidrato) E TERÁ GLICOSE BAIXA NO SANGUE! Simples assim... Na verdade, não. Requer muita disciplina e apoio familiar, fugir dos farináceos e açúcares para o resto da vida, entretanto compensa imensamente.
Texto do jornal assinado por Sarah Hallberg, diretora médica do programa de perda de peso em Indiana University Saúde Arnett, professora adjunta na escola de medicina, diretora da Coalizão Nutrição e diretora médico de uma start-up de desenvolvimento de intervenções médicas baseadas em nutrição. Osama Hamdy é diretor médico dos programas de obesidade e diabetes em regime de internamento no Joslin Diabetes Center da Harvard Medical School.
Medicamentos caros (e talvez a indústria alimentícia) estão envolvidos nesta trama... Peça a seus parentes em sobrepeso ou pré-diabéticos para "ao menos" estudarem a Low-Carb!

3.9.16

Contentamento e serenidade

Resultado de imagem para imagem vegetais e carnes
Assim como o clarão de um relâmpago ilumina a tempestade noturna, a boa ciência nutricional vai iluminando o mundo gota a gota, porém cada qual deve estudar-se, compreender a linha tênue entre sentir fome ou sede, digerir os crus ou os cozidos, jejuar de manhã ou à noite.

Nós, humanos, descendemos de sobreviventes heroicos, fantásticos ancestrais hominídeos cuja linhagem alonga-se milhões de anos. Esse legado genético refinado, tão humano, requer ambiente propício, como diamante aguardando lapidação.

Mexer o corpo abaixando-se com frequência, pulando corda, correndo rápido e lentamente, pedalando morro acima, pegando peso, nadando, ou o que for, propiciam aquele "barato" ao final da atividade. Ativa o sistema linfático e expurga toxinas.

Eu chego à escola (lá no alto do bairro) toda manhã com a bicicleta, e começo o dia alegremente, inundada por adrenalina.

Presas herbívoras vivem pastando, enquanto predadores jejuam e empanturram-se intermitentemente. Nossos corpos onívoros funcionam melhor nessas condições come-jejua, basta readaptar. Leia  o livro "Eat Stop Eat", de Brad Pillon.
Em regiões com invernos gelados ou locais com secas constantes, até à pouco tempo a comida era racionada. Animais silvestres, quando doentes ou feridos, jejuam. Sem esquecer a conexão espiritual favorecida pelo jejum, expandindo a consciência - é sabedoria ancestral.
Jejuar cura até verminose (vermes adoram carboidratos)! Hulda Clark, cientista canadense cheia de títulos, assegura que 100% dos portadores de câncer têm uma baratinha no fígado, a Fasciolopsis buski.

"Alimentar" a pele com luz solar perpendicular em pequenas doses, onde o colesterol  que compõe 20% do cérebro, disponibiliza cálcio e vitamina D - pró hormônio para o sistema imune; "nutrir" a microbiota com bactérias benéficas (pisar a terra - aterramento, consumir probióticos - kefir, fermentados), o intestino contém neurônios e fabrica serotonina; "alimentar" o organismo com sono reparador, são outras necessidades básicas.

É possível acordar o paladar para os sabores sutis da comida de verdade à moda antiga, onde até a recolecção de plantas alimentícias não convencionais contribui. Alimento natural restabelece o sensor de sabor. Na natureza selvagem as plantas não são amiláceas e as raras frutinhas são azedas, o carboidrato é escasso, predominando proteína e gordura.

E não podemos confiar apenas na "força de vontade" para nos lapidar; mudança contínua e religiosa de hábitos é a palavra-chave do empoderamento para habitar confortavelmente nosso corpo até a longevidade.

Marido, no meio do mês, completará um ano de crescente alimentação natural, evitando carboidratos refinados. Resultado - eliminou 14 kg de abdome globoso (gordura visceral).
"Perdeu" as dores difusas e inflamações constantes; controlou a insulina (estava praticamente diabético, com glicemia em jejum a 167); reduziu naturalmente a pressão arterial; os triglicerídeos baixaram de 750 para "cento e pouco".
A disposição física elevou-lhe a auto estima, potencializada pelos elogios de conhecidos ao ver a "magreza" num corpo mais definido.

E eu? Continuo nos 69 kg, considerando que tenho 1,68 de altura e 52 anos, consolidando a delicada fase de menopausa. Dores? Passam todas longe de mim...