31.1.18

Por que o medo das vacinas?

Vacinação infantil
Metais pesados contaminam o ambiente nas mais variadas formas, e podem ser passados ao feto na gestação, no leite materno, além de exposições na vida cotidiana, do nascimento à velhice.
Um dos motivos de pânico à vacinação (sobretudo infantil) além de  outros efeitos colaterais, é a suspeita de autismo, TDAH  e tantos outros transtornos neurológicos, antes raros e agora tão comuns.
Certas vacinas, além de outros excipientes, contém um conservante para evitar proliferação de micro organismos, o  timerosal, à base de mercúrio.
Ultimamente, as doses de timerosal tem sido cada vez menores nas vacinas. Apesar de relatos anedóticos, não há provas científicas robustas de associação ao autismo.
A exposição ao mercúrio se dá principalmente por amálgama dentário (da gestante) e frutos do mar. Em crianças, associa-se a desordens neurológicas: TDAH, ASD, ADD, autismo, dificuldade de aprendizagem e tic.
O alumínio é adjuvante em vacinas para aumentar a resposta de imunização (permitido devido à segurança). Certas vacinas precisam muito dele para garantir a sua eficiência.
Os efeitos da exposição a qualquer substância perigosa depende da dose, duração, forma de exposição, características pessoais, o quanto estão presentes em diversos produtos, tornando-se cumulativos.
Metais pesados ​​deslocam minerais essenciais como o zinco e o ferro que são necessários para a produção de neurotransmissores; ​​induzem estresse oxidativo, reduzindo a plasticidade neuronal, prejudicando aprendizagem e comportamento. 
O alumínio se acumula em células imunes do cérebro. Isso pode provocar uma resposta imune-inflamatória que afeta a função e o comportamento neurológicos.
O arsênio (arsênico) é um semimetal  subproduto dos processos do fabrico industrial, usado em preservação da madeira e como pesticida. 
Dependendo de sua concentração no solo, pode contaminar arroz (integral), vinho; e contamina também a carne de animais tratados com remédios contendo o produto.
O chumbo pode contaminar através de tintas, cosméticos, poeira de área afetada, tubulações antigas. Prejudica as sinapses cerebrais, com risco de TDAH.
O manganês, em quantidades mínimas, ajuda nas enzimas antioxidantes, metabolização de aminoácidos e carboidratos, cicatrização e massa óssea. Encontra-se em folhas verdes e legumes.
Sua toxidade pode ocorrer em soldagem, fabrico químico, água potável com excesso de manganês. Também associada à TDAH, função cerebral diminuída e comportamento inadequado.
Vale ressaltar que vacinas salvam vidas, apesar de eventos adversos que devem ser questionados e debatidos em busca de constante aprimoramento.
MAIS FONTE      FONTE

29.1.18

A nutrição dos longevos




Lançado no Brasil o  esperado livro “The Pioppi Diet” do Dr. Aseem Malhotra – cardiologista inglês .  Nome do livro no Brasil: "Detox 21 dias"(?). Aborda uma Low Carb mediterrânea.
RESUMÃO
Mito: consumo de gordura saturada e colesterol aumentam risco de doenças cardiovasculares e morte. 
A medicina não é uma ciência exata, precisamos acompanhar os constantes avanços e atualizações, assim também em nutrição.
Pesquisas e estudos atuais revelam que não são eles que bloqueiam as artérias, mas carboidratos refinados. 
Na dieta moderna há muito mais deles que o organismo suporta, levando à síndrome metabólica.
Um dos maiores vilões para aumento do risco de doenças cardiovasculares é a resistência insulina.
Causas: excesso de açúcares e amido, vida sedentária, estresse mal gerido, sono ruim, falta de interação comunitária e de contato com a natureza.
Para reduzir a resistência à insulina, Dr. Aseem recomenda jejum de 24 horas uma vez na semana.
Dr. Malhotra pesquisou a relação estilo de vida X expectativa de vida entre moradores longevos de Pioppi, cidadezinha Itáliana. Eles comiam tudo fresco e viviam comunitariamente, em serenidade. 
A alimentação ruim é mais responsável por doenças crônicas e morte, que tabagismo e sedentarismo associados!
A gordura natural dos alimentos é importantíssima para a absorção de muitas vitaminas essenciais ao nosso organismo, além de atuar nas funções cerebrais, cognitivas, celulares e na regulação hormonal. 
Hoje, consumimos pouco gordura saudável e muito da gordura industrial (trans, hidrogenada - óleos, margarina).
Pesquisas mostram que pessoas com mais de 60 anos com LDL (colesterol ruim) elevado, detém menor risco de morte.
O colesterol está envolvido no sistema imunológico. Pessoas idosas têm mais risco a infecções, e o colesterol mais alto torna-se mecanismo de proteção.
Perda de peso é mais efetiva com mudança na alimentação que com exercícios (movimento é para ganhar saúde, não perder peso)

26.1.18

Ruminante destrói ambiente?

  FONTE
Peter Ballerstedt
A pecuária é sustentável? Um julgamento simples baseado na projeção da mídia dominante provavelmente seria "Não realmente", mas isso é chamado de dogma. É sempre bom explorar todos os lados dos argumentos.
Dr. Peter Ballerstedt usa sua experiência em Agronomia para oferecer um contra-argumento interessante à afirmação de que  a pecuária está destruindo o meio ambiente.
A pecuária extensiva é o grande culpado nas mudanças climáticas e na degradação ambiental? 
Vacas poderão vir a estercam o solo, agregando nutrientes e bactérias saudáveis, exterminadas pelos agrotóxicos da agricultura em alta escala?
Dr. Ballerstedt refuta essa culpabilização aos ruminantes numa apresentação no Low Carb USA 2017 e mostra como bovinos podem ser parte da solução.

Este novo entendimento combinado à sua experiência forrageira, lhe deu maior visão para a verdadeira sustentabilidade social, econômica e ecológica na produção de carne vermelha e laticínios. 

Ele aborda a necessidade de investir nos ruminantes como opção sustentável ​​para nutrir uma população humana ainda crescente, e também aponta fatos sobre inovações atuais consorciando terras cultiváveis ​​e pecuária.
"O pastoreio é o resultado final num processo ecológico essencial e atemporal: melhora a degradação biológica da vegetação que alimenta o solo / remove as ervas mortas para que novo capim possa crescer.

Vivo na Mantiqueira, onde um pasto deixado à mercê vira capoeira rapidinho, tamanha a vitalidade da terra explorada pelo gado. E a monocultura de soja?

25.1.18

Protocolo Bredesen para o cérebro

Resultado de imagem para Protocolo Bredesen
Busca-se melhorar o desempenho mental, prevenir e tratar doenças cerebrais degenerativas como parkinson e demências (alzheimer).
Um estudo recente produziu bons resultados em 19 pacientes com Alzheimer. Foi liderada pelo Dr. Dale BredesenO experimento envolve mudanças de estilo de vida em vez de medicação (pois, nenhuma droga se mostra eficiente).

PROTOCOLO ABREVIADO
1. Nutrição fresca (bicho e planta), evitando comida industrial, açúcar, farináceos;
2. Gestão de estressores + estimulação cerebral ( contemplação, yoga, música, desafios);
3. Oito horas de sono por noite (dormir cedo, acordar cedo); 
4. Mover-se (vida comunitária, estar na natureza - pisar a terra, afazeres domésticos);
5. Muito boa higiene bucal (evitar inflamações); 
6. Saúde intestinal com probióticos e prebioticos; 
7. Jejum de 12 horas (ou mais) entre o jantar e o café da manhã e três horas entre o jantar e a hora de dormir, para manter os níveis de insulina saudáveis.
(Forte inspiração páleo)
Estressores (ambientais, emocionais, nutricionais) levam à inflamação, que leva à degeneração celular.

ESTATINAS

FONTE
Resultado de imagem para IMAGEM ESTATINAS
Muitas pessoas são folgadas e mimadas. Querem prevenir doenças, usando um pílula "mágica". Não aceitam mudar o estilo de vida.
Estatina não ajuda a corrigir a causa raiz das doenças cardíacas, só joga sujeira para debaixo do tapete.
Demonstra proteção contra ataque cardíaco em paciente que já teve ataque, com efeito anti-coagulante e vasodilatador semelhante ao viagra e aspirina - aumenta os níveis de óxido nítrico. 
No entanto, seu benefício para pessoas de baixo risco é mínimo e até inexistente, se pesarmos os efeitos colaterais (dores musculares, cansaço e cãibras). 
O estressor físico e emocional leva a hipertensão; ao longo do tempo, o impacto do fluxo de sangue enfraquece as paredes das artérias. 
Colesterol extra é enviado para fortalecê-las enquanto a verdadeira causa da hipertensão persistir (o estressor). O colesterol perde a batalha e surgem placas parecidas com pus de feridas (um processo imune normal).
O LDL é antioxidante, essencial para cicatrização; ele tenta curar, e não causar a doença! Gorduras hidrogenadas, trans e os triglicerídeos ​se transformam em cola pegajosa; inflamatória, que obstrui as artérias. 
As estatinas bloqueiam a enzima que cria colesterol no fígado, diminuindo LDL na corrente sanguínea e  HDL (considerado bom).
O cérebro é rico em colesterol, então as estatinas podem agravar perda de memória, demências, Parkinson - tudo atribuído a uma desaceleração no crescimento de novas células cerebrais de reparação. 
Uma droga que reduz a quantidade de colesterol (essencial para crescimento celular), terá impacto nas doenças do cérebro. 
A doença cardíaca coronária ocorre quando placas se acumulam e bloqueiam as artérias. O LDL também é encontrado nessas placas. Então, a teoria diz que, ao reduzir o LDL, reduz-se o risco de acumulação dessas placas. Será?
Será que não deveríamos atacar a inflamação (síndrome metabólica)?
Gerencie o estresse; mova-se na natureza, pise a terra (sente-se pouco); coma alimentos frescos (bicho e planta); durma cedo e acorde cedo (não coma à noite); tenha vida comunitária.

O que a coca-cola faz em seu corpo?

Nos primeiros 10 minutos: 10 colheres de chá de açúcar atingem o sistema (100% da ingestão diária recomendada). Segundo Niraj (farmacêutico), o açúcar encontrado na lata de coca-cola faria-nos vomitar, mas o ácido fosfórico da bebida "corta o sabor" e o torna agradável.
20 minutos: há picos de açúcar no sangue, causando um estímulo de insulina. O fígado responde, transformando todo o açúcar em gordura. 
40 minutos: a absorção de cafeína está completa. As pupilas se dilatam, a pressão sanguínea aumenta; como resposta, o fígado despeja mais açúcar na corrente sanguínea. Os receptores de adenosina no cérebro serão bloqueados, impedindo a sonolência.
45 minutos: o corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do cérebro. Isso é fisicamente da mesma maneira que a heroína funciona.
60 minutos: o ácido fosfórico se liga ao cálcio, magnésio e zinco, proporcionando um novo aumento no metabolismo. Isso é agravado pelas altas doses de açúcar e adoçantes artificiais, aumentando também a excreção urinária de cálcio.
> 60 minutos: as propriedades diuréticas da cafeína entram em jogo. Agora, elimina-se no xixi: cálcio, magnésio e zinco, que foram retirados dos ossos, bem como sódio, eletrólitos e água. Pela abstinência do açúcar, fica-se irritado e lento. E desidratado, devido à cafeína.

Coca-cola diz: exercício emagrece (?????)

FONTE
Um screengrab do vídeo sobre o compromisso da Coke com a promoção de fitness em Chicago.
Esse tema é velho, mas não custa relembrar por quê as pessoas pensar que exercício emagrece. A coca-cola financiou cientistas (corruptos) para jogar a culpa da obesidade no sedentarismo.
Em novembro de 2012, a fundação "Coke" anunciou uma concessão de US $ 3 milhões para Garfield Park Conservatory Alliance da Chicago. A subvenção destinava-se a estabelecer um programa de bem-estar (exercícios).
Solução "baseada em ciência" para a crise da obesidade: mantenha um peso saudável fazendo mais exercícios e se preocupando menos com a nutrição. "Não se dá atenção suficiente aos exercícios".
Esta mensagem enganosa é parte de um esforço da Coca para desviar críticas sobre o papel que as bebidas açucaradas têm desempenhado na propagação da obesidade e diabetes tipo II. Tenta convencer o público de que a atividade física pode compensar uma dieta ruim.
Declaração da coke à imprensa deixa claro o $:

"Nós nos associamos a alguns dos principais especialistas em nutrição e atividade física. É importante para nós que esses pesquisadores compartilhem seus próprios pontos de vista e resultados científicos, independentemente do resultado, e sejam transparentes e abertos sobre nosso financiamento".

Exercício é para ganhar saúde; não para perder peso... melhora-se todo o metabolismo com o movimento, todavia nutrição é 80% da equação.

24.1.18

Coma mais miúdos!

FONTE
"Carnes de órgãos são a fonte mais concentrada de quase todos os nutrientes, incluindo vitaminas importantes, minerais, gorduras saudáveis ​​e aminoácidos essenciais."
Moela, coraçãozinho, fígado de galinha, bife de fígado bovino, língua, miolo, coração, pele de porco, rins, tripa (revestindo linguiça),  "paquera" (pulmão, brônquios), bucho...
Na natureza, os predadores alfa consomem primeiramente os órgãos e partes gordas, deixando a carcaça para outros membros. Em tribos primitivas, também há comportamento semelhante. 
Quando se matava o animal em casa, tudo era aproveitado, cabeça, pés, joelhos, o sangue para fazer chouriço, ossos para sopas, barrigada para sabão. Hoje é considerado exótico, contudo o preço de alguns órgãos é muito bom!
Carnes de órgãos contém doses pesadas de vitaminas B, como: B1, B2, B6, folato e a vitamina B12. Minerais como fósforo, ferro, cobre, magnésio, iodo, cálcio, potássio, sódio, selênio, zinco e manganês.
Fornecem vitaminas lipossolúveis A, D, E e K. Têm importantes concentrações de vitamina D natural e ácidos graxos essenciais - araquidônico e gorduras ômega-3, EPA e DHA.
O fígado contém fonte concentrada de vitamina A e dezenas de vitaminas e minerais importantes, é uma excelente fonte de Vitamina D, Vitamina B12 (e outras Vitaminas do complexo B), cobre, potássio, magnésio, fósforo, manganês e ferro, numa forma facilmente absorvida. 
O rim é rico em vitamina B12, selênio, ferro, cobre, fósforo e zinco. Embora o coração seja tecnicamente um músculo, é fonte concentrada de nutrientes, Coenzima Q10 - saúde cardiovascular. Contém abundância de Vitamina A, Vitamina B12; ácido fólico, ferro, selênio, fósforo e zinco, e é a principal fonte de cobre.

Lore of Nutrition

Ainda não traduzido para português

É sobre a história da nutrição e a batalha judicial ocorrida na África do Sul protagonizada pelo Dr Noakes. Ele foi processado por pensar fora da caixinha e venceu após 3 anos, valendo-se das evidência científica.
São evidência relacionadas ao baixo teor de carboidratos na nutrição, apresentadas no livro para tratamento de resistência à insulina / síndrome metabólica.
Monstros internacionais como Nina Teichols (de Nova Iorque), Zoe Harcombe (da Inglaterra) e outros, depuseram a favor, endossando o desafio de Noakes à ortodoxia nutricional, que o colocara nessa rota de colisão.
Conflitos de interesse, parcerias com a big farma e big food, mídia, política, corrupção, bullying acadêmico, levaram o cardiologista Sigurdsson (da Islândia) a enxergar no livro um foco novelístico. 
Noakes desafia dois dogmas profundamente arraigados: o papel dos carboidratos na nutrição e saúde / hipótese dieta-coração de que gordura saturada causa doenças cardíacas.


"A verdade pura e simples raramente é pura e nunca simples" - Oscar Wilde 

23.1.18

Keto para tratar Alzheimer

FONTE
Comer em baixo teor de carboidrato e alta gordura saudável (proteína moderada) é uma intervenção nutricional promissora para doença de alzheimer, condição para a qual não há tratamento efetivo.
Considerada "diabetes tipo III", alzheimer vem sendo aceita como doença metabólica, engatilhada por dieta e estilo de vida inflamatórios, através da resistência à insulina. 
É possível uma conexão com glicose e / ou insulina em excesso no cérebro. Os neurônios nas regiões afetadas perderam a capacidade de obter energia a partir da glicose.
Os neurônios mais trabalhadores são afetados,  e após décadas famintos, já não conseguem compensar. Comprometem memória e desempenho cognitivo. 
Beta-amiloide é proteína secretada pelos neurônios em resposta a lesões. Quando esses fragmentos protetores não são eliminados eficientemente pelas enzima degradante de insulina, se acumulam e formam placas bloqueando as sinapses. Agravam o comprometimento cognitivo, mas não são a causa inicial.
Através de ressonância magnética, vê-se o volume físico do cérebro encolhido.
A doença surge da forma como o cérebro gera e usa energia. É uma condição complexa e multifatorial, levando à falta de combustível / crise de energia no cérebro.
Pessoas que carregam o gene E4 não são devidamente adaptadas à dieta com alto teor de carboidratos, sofrendo maior dano metabólico diante de açúcares e grãos refinados.
Evitar a hiperinsulinemia é crucial. Na diabetes II a glicose é um alerta, em Alzheimer, é a insulina que deve ser investigada.
Um combustível alternativo, as cetonas produzidas pela gordura da dieta Keto, nutrirão as células famintas para frear a progressão da doença. E melhor, sem efeitos colaterais!

Intolerância alimentar / alergia

FONTE

Mulberry Street, New York, 1900 - Foto: Detroit Photographer Co - Wikimedia Commons, Estados Unidos Divisão de impressões e fotografias da Biblioteca do Congresso (ID det.4a31829)

O grande aumento de alergias / intolerâncias alimentares é atribuído ao estilo de vida moderno. 
No passado, a comida era local e sazonal, sem grande diversidade, sem ingredientes artificiais.
Tudo era preparado com métodos tradicionais de culinária caseira; não havia alimento geneticamente modificado ou hibridagens exageradas.
Não se acrescentava conservantes artificiais, que deterioram a microbiota. Apenas se salgava ou desidratava / defumava os produtos. Quase não se tomava antibiótico, apenas chás, emplastros, inalações, caldos.
Os animais eram ingeridos "de focinho a rabo": medula, miúdos, cartilagens, ossos, aumentando a densidade nutricional.
Expunha-se ao sol, ao ar puro, movendo-se na natureza. Dormia-se desde o início da noite, ao início do dia.


* Eu fui criada na área rural até os 13 anos... Apesar da lista de alimentos "reimosos", todos, quando não estavam doentes, comiam amendoim e outras leguminosas, ovo, laticínios.
A variedade alimentar era pequena, tudo fresco e local. A farinha de trigo era usada com moderação ( precisava-se pagar por ela). Pode ter havido casos não diagnosticados, porém não eram comuns sintomas suspeitos. As pessoas, em geral, eram magras, ativas e saudáveis. Respeitavam o ciclo circadiano; muitos jejuavam nos dias santos; havia maior senso de comunidade.

Açúcar / farináceos / comida industrial X câncer

FONTE
RESISTÊNCIA À INSULINA   X   CÂNCER
Está ficando mais claro - a conexão de câncer de dieta aponta para açúcar e carboidratos
"Quando a insulina aumenta para níveis anormais e continua elevada, pode promover o crescimento de tumores de forma direta e indireta."
Cada vez mais os cientistas estão relacionando açúcar / farináceos / comida industrial a certos tipos de câncer, pelo fato de muitas pessoas estarem acima do peso na ocasião do diagnóstico. A resistência insulínica é o elo entre nutrição e câncer, nesses casos.
Agosto de 2016, New England Journal of Medicine publica relatório: há cerca de 13 tipos de câncer relacionados à obesidade. Principais - tireoide, ovário, útero, pâncreas e mama (pós-menopausa).
Demasiada insulina bombardeia excesso de combustível aos tecidos, levando a crescimentos anormais. 
Insulina elevada causa armazenamento de gordura, associando às formas com que o próprio tecido adiposo contribui para o câncer.
Nem todos os cânceres são causados ​​por muita insulina; traumas (físicos / emocionais) e outros fatores (mal sono / estresse mal gerido / genética) também os desencadeiam.
Michael Pollak, Universidade McGill, no Canadá: açúcar deve ser usado apenas como tempero, para ocasionalmente polvilhar em alimentos.

17.1.18

Cetogênica / Keto é ok

A descrição da imagem não está disponível.

Associação Médica Americana torna-se fortemente favorável à dieta Cetogênica / Keto para manejo de síndrome metabólica (obesidade, diabetes, pressão alta, triglicerídeos altos e HDL baixo).

Isso é muita coisa!!! Se os americanos recomendam Keto, o mundo os copiará. Keto é alta gordura... Quem diria!

A equipe do Dr. David Ludwig (livro Emagreça sem fome) fez um ótimo trabalho em favorecimento da cetogênica.

Com ela, elimina-se mais peso, mais gordura visceral, há maior facilidade na manutenção da magreza, com menos fome em todo o processo, pois o metabolismo continua alto o tempo todo.

Além de reduzir toda a síndrome metabólica, a dieta cetogênica causa remissão na diabetes II.

Se o LDL aumentar, haverá mudança para partículas grandes e pouco densas - com baixo potencial aterogênico.

Creme de chocolate

Resultado de imagem para imagem creme de chocolate

1 xícara de café de cacau em pó
1 xícara de chá de farinha de coco
1 caixa de creme de leite
Xilitol até adoçar levemente
1 gelatina sem sabor diluída
Canela em pó para polvilhar

Bata bem com colher / coloque em forminhas para gelar.

Nachos "slow carb"

Resultado de imagem para grade do forno dako

Primeiramente, ligue o forno.
*O fubá será o único ingrediente crítico.

2 ovos / 1 colher de banha
Sobras de verduras, talos e cascas
*Liquidifique tudo pouco a pouco.


Numa baciona, junte a mistura a 1 xícara de fubá, temperos naturais (curry caseiro) /  bastante pimenta / sal e farinhas low carb. 
Amasse até formar 1 bola e sove bastante.
Num filme plástico, estique a massa ao máximo.
Vá colocando partes disformes na grade do forno, como um varal.
Asse o "varal" até ficar crocante.
Se usar 2 barras da grade, seu nacho fica em formato de cestinha.
Deixe esfriar num prato aberto e sirva com guacamole, patês, molhos e cremes low carb. Fica verdinho e apimentado!

Cai expectativa de vida


Quase no mundo todo, a expectativa de vida vem aumentando!!!

Nos estados Unidos, entretanto, houve queda de  aproximadamente 1 ano, devido principalmente a problemas relacionados à obesidade.

De acordo com um novo estudo, a obesidade americana pode ser responsável por cerca de 186.000 mortes prematuras por ano, afetando sobretudo, pessoas acima dos 40 anos.

FONTE

16.1.18

Dia internacional "Low Carb"

Sobre a Dra. Annika Dahlqvist
ANNIKA DAHLQVIST, médica sueca, fez a campanha para que a data passe a ser comemorada de agora em diante.
O motivo: Em 16 de janeiro de 2008, o Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar da Suécia, anunciou a aprovação da dieta LCHF para tratamento de obesidade e diabetes tipo 2.
Após a investigação da evidência científica, verificou-se que a dieta era um tratamento efetivo e que não havia evidência de efeitos adversos.
Annika foi "o Noakes" da Suécia - passou por batalha judicial para poder medicar em "Low Carb".

11.1.18

Hospital inglês proíbe açúcar

5673

Devido à obesidade alarmante entre os funcionários, hospital em Manchester proibiu todas as bebidas açucaradas, bem como as refeições com açúcares adicionados. Oferece opções low carb.

"Queremos que 2018 seja o ano em que a opção gostosa, acessível e fácil para pacientes, funcionários e visitantes seja opção saudável ".

O hospital Tameside removeu o açúcar adicionado das refeições e retirou lanches açucarados e bebidas efervescentes em seu cardápio. As únicas bebidas que os visitantes podem comprar são chá, café, leite e água.